Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do Web of Science, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Aumento da concentração plasmática de óxido nítrico em cães com doença renal crônica naturalmente adquirida

Texto completo
Autor(es):
Galvao, Andre B. [1] ; Carvalho, Marileda B. [1] ; Batalhao, Luciane G. [2] ; Silva, Juliana C. B. [3] ; Batalhao, Marcelo [4] ; Carnio, Evelin C. [4]
Número total de Autores: 6
Afiliação do(s) autor(es):
[1] Univ Estadual Paulista, Fac Ciencias Agr & Med Vet FCAV, Dept Clin & Cirurgia Vet, Programa Posgrad Med Vet, UNESP, Via Acesso Prof Paulo Donato Castellane S-N, BR-14884900 Jaboticabal, SP - Brazil
[2] UNESP, FCAV, Dept Morfol & Fisiol Anim, Via Acesso Prof Paulo Donato Castellane S-N, BR-14884900 Jaboticabal, SP - Brazil
[3] Embrapa Pantanal, Rua Vinte & Um Setembro, BR-79320900 Corumba, MS - Brazil
[4] Univ Sao Paulo, Escola Enfermagem Ribeirao Preto, Ave Bandeirantes 3900, BR-14040902 Ribeirao Preto, SP - Brazil
Número total de Afiliações: 4
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Pesquisa Veterinária Brasileira; v. 37, n. 8, p. 847-852, AUG 2017.
Citações Web of Science: 0
Resumo

RESUMO: A determinação de óxido nítrico no plasma em cães clinicamente estáveis em diferentes estágios da doença renal crônica (DRC) não foi estudada, constituindo este o objetivo do presente estudo. Foram estudados cinco grupos de cães, com idade variando entre quatro a 18 anos, compreendendo o grupo controle, composto por animais sadios (controle, n=17), grupo com DRC estágio 1 (DRC-1, n=12), grupo com DRC estágio 2 (DRC-2, n=10), grupo com DRC estágio 3 (DRC-3, n=13) e grupo com DRC estágio 4 (DRC-4, n=10). Os cães com DRC estavam com o quadro clínico estável e sem receber qualquer tipo de tratamento. Foram estudados cinco grupo de cães, com idade variando entre quatro a 18 anos, compreendendo o grupo controle, composto por animais sadios (controle, n=17), grupo com DRC estágio 1 (DRC-1, n=12), grupo com DRC estágio 2 (DRC-2, n=10), grupo com DRC estágio 3 (DRC-3, n=13) e grupo com DRC estágio 4 (DRC-4, n=10). Os animais sadios ou com DRC foram submetidos a duas coletas de sangue, com intervalo de 24 horas (amostras repetidas), para obtenção de soro e plasma. Os valores de creatinina sérica, que definiram a classificação dos pacientes do controle, DRC-1, DRC-2, DRC-3 e DRC-4, que foram 1,02±0,02mg/dL; 1,06±0,05mg/dL; 1,80±0,03mg/dL; 3,39±0,21mg/dL e 6,00±0,28mg/dL, respectivamente. A determinação plasmática indireta de óxido nítrico (NO) foi realizada por meio da dosagem de nitrato/nitrito, através da técnia de quimioluminescência NO / ozono. Os dados foram submetidos à ANOVA para análise não paramétrica (Kruskal-Wallis) (P <0,05). Os resultados das concentrações plasmáticas de NO não diferiram significativamente quando comparados os dados do controle (10,81±0,51μM), DRC-1 (15,49±1,97μM), DRC-2 (19,82±3,31μM). No entanto, o NO plasmático do grupo DRC-3 (17,01±1,73μM) e DRC-4 (83,55±13,63μM), foi significativamente maior, em relação às médias dos cães sadios. Concluímos que a concentração plasmática de NO pode aumentar em cães com DRC e torna-se significativamente mais elevada nos estágios 3 e 4 da doença. (AU)

Processo FAPESP: 11/08767-3 - Estresse oxidativo em cães com doença renal crônica
Beneficiário:André Luiz Baptista Galvão
Modalidade de apoio: Bolsas no Brasil - Doutorado