Busca avançada
Ano de início
Entree

Valéria Cassano

CV Lattes ResearcherID ORCID


Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências (IB)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula (1990), mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1997) e doutorado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente pelo Instituto de Botânica de São Paulo (2009). Atuou como professor na Universidade do Estado do Rio de Janeiro de 1999 a 2010. Atualmente é Professor Doutor da Universidade de São Paulo. É credenciada na Pós-Graduação em Botânica da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia de Macroalgas Marinhas, atuando principalmente nos seguintes temas: taxonomia, sistemática e filogenia molecular. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 18/05/2024
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Serviço temporariamente indisponível

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

SP Pesquisa - Vida microscópica ou biodiversidade micro - 2º Bloco


Publicado em 16 de maio de 2015 - SP Pesquisa - Vida microscópica ou biodiversidade micro - 2º Bloco. O programa mostra a enorme diversidade do mundo microbiano. Expõe os motivos da importância de conhecer essa biodiversidade e porque a vida humana depende da preservação desses microrganismos. A equipe do São Paulo Pesquisa foi ao Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, onde cientistas estudam organismos que vivem em condições ambientais extremas, como temperaturas muito baixas ou muito altas. A reportagem ouviu os biólogos do Instituto de Biociências que estudam os seres vivos mais antigos do planeta, entre eles as algas marinhas e as amebas, que sobreviveram a todas as mudanças climáticas da Terra por bilhões de anos. A biologia molecular revelou aos cientistas que conhecemos apenas uma pequena parte dessas espécies.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador utilizando este formulário.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: