Busca avançada
Ano de início
Entree


Efeito da erva-mate (Ilex paraguariensis) sobre a resposta inflamatória e via da sinalização da insulina no fígado de ratos

Texto completo
Autor(es):
Patrícia Silva Jacob
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Saúde Pública (FSP/CIR)
Data de defesa:
Membros da banca:
Marcelo Macedo Rogero; Ana Maria Pita Lottenberg; Marilia Cerqueira Leite Seelaender
Orientador: Marcelo Macedo Rogero
Resumo

Introdução A obesidade está associada a um quadro de inflamação crônica e de baixa intensidade, que predispõe à resistência à ação da insulina e ao desenvolvimento do diabetes mellitus (DM) tipo 2. O aumento da concentração sanguínea de ácidos graxos não esterificados e de citocinas pró-inflamatórias eleva a expressão hepática de quinases (quinase do inibidor do fator nuclear kappa B (IKK)- e a c-jun N-terminal quinase (JNK)) que aumentam a resposta inflamatória e prejudicam a via de sinalização da insulina. A erva-mate (Ilex paraguariensis) contém compostos bioativos que apresentam a capacidade de reduzir a expressão de genes envolvidos na resposta inflamatória. Objetivo Investigar o efeito da ingestão do extrato aquoso de erva-mate (EAEM) sobre a resposta inflamatória e via de sinalização da insulina no fígado de ratos alimentados com ração hiperlipídica (HL). Métodos Ratos Wistar, machos, foram submetidos à dieta controle (CON) (n= 18) ou HL (n= 18) durante 12 semanas. Após esse período, seis animais de cada grupo foram eutanasiados, enquanto o restante dos animais foi distribuído em grupos que receberam, ou não, por gavagem, o EAEM (1 g/kg massa corporal/dia) durante quatro semanas. Após esse período, todos os animais foram eutanasiados e determinou-se as concentrações de glicose, insulina, colesterol total, HDL-colesterol, LDL-colesterol, VLDL-colesterol, triacilgliceróis (TAG), leptina, adiponectina, TNF-, IL-6, inibidor do ativador do plasminogênio-1 (PAI-1) e a MCP-1 e a atividade sérica das enzimas alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST). Foi realizada análise histológica para verificação da infiltração de lipídios. Foi avaliada também a composição corporal dos animais. Para a análise da expressão das proteínas JNK, IKK-, AKT e IRS-1 nas suas formas totais e fosforiladas, e da proteína NF-B, na sua forma fosforilada, um grupo de animais (n = 36) foi submetido ao mesmo protocolo experimental, porém neste foi realizada a infusão de insulina previamente ao momento da eutanásia. Todos os animais foram submetidos ao teste oral de tolerância à glicose (oGTT) e ao teste de tolerância intraperitoneal à insulina (ipITT) na 1 ª, 12 ª e 16 ª semana do protocolo experimental. Resultados Após 12 semanas de protocolo experimental, os animais submetidos à ração HL apresentaram maior consumo alimentar, no entanto, isocalórico em comparação àquele dos animais do grupo CONBL (p < 0,05). O grupo HLBL teve aumento significativo do ganho de peso; do peso coxim adiposo retroperitoneal e do fígado; da glicemia de jejum; da glicemia quando submetidos ao oGTT, em todos os tempos do teste, e ao ipITT no tempo 0, 5, 30 e 40; da concentração sérica de colesterol total, LDL-colesterol, PAI-1 e PCR, em relação ao grupo CONBL (p < 0,05). Apenas 1/3 dos animais HLBL apresentaram degeneração micro e macrogoticular discreta. O consumo da dieta HL diminuiu a fosforilação da AKT em relação aos animais que consumiram a ração CON (p <0,05). No que se refere aos efeitos do EAEM, observou-se que esta intervenção não alterou o consumo alimentar, sendo que os animais submetidos à ração HL, com ou sem a administração do EAEM, ingeriram significantemente menor quantidade em relação aos seus respectivos grupos controles (p < 0,05), todavia, o consumo energético novamente mostrou-se isocalórico (p < 0,05). A administração do EAEM reverteu o quadro de ganho de peso nos grupos que consumiram a ração HL e, ainda, reduziu o percentual de lipídios da carcaça nos animais que consumiram a ração CON, em relação aos respectivos grupos sem a intervenção (p <0,05). O grupo CONEM apresentou aumento do percentual de massa magra e redução da glicemia no ipITT nos tempos após 5 e 10 minutos do início do tese, quando comparado ao seu grupo controle (p <0,05). O EAEM reduziu as concentrações séricas de colesterol total no grupo alimentado com ração HL em relação ao grupo CON (p < 0,05). O grupo HLEM apresentou menor razão da expressão da IKK- fosforilada pela total, fosforilação do NFB, bem como maior razão da expressão da AKT fosforilada pela total em relação ao grupo HL (p < 0,05). Conclusões O consumo de ração HL induziu no fígado perfil pró-inflamatório e quadro de intolerância à glicose Sendo assim, o consumo de ração HL pode ser considerado um fator relevante na etiologia da obesidade e no desenvolvimento das doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT), em especial, do DM tipo 2. A intervenção com o EAEM modulou a resposta inflamatória e diminuiu a intolerância à glicose hepática Todos esse fatores, em conjunto, indicam que a erva-mate possa ter um efeito positivo na redução do risco e tratamento das DCNT. (AU)

Processo FAPESP: 09/12790-0 - Efeito da ingestão do extrato aquoso de erva-mate (Ilex paraguariensis) sobre a expressão de proteínas envolvidas na regulação da via de sinalização da insulina no fígado de ratos submetidos à dieta hiperlipídica
Beneficiário:Patrícia Silva Jacob
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado