Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo do interactoma das miosinas V humanas

Texto completo
Autor(es):
Luciano Graciani Dolce
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Campinas, SP.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Mário Tyago Murakami; Juliana Ferreira de Oliveira; Aline Mara dos Santos; Luiz Claudio Cameron; Ana Paula Ulian de Araujo
Orientador: Mário Tyago Murakami
Resumo

Miosinas são proteínas motoras com atividade ATPásica e apresentam processividade em filamentos de actina. A classe V das miosinas apresenta três genes parálogos em humanos, MYO5A, MYO5B e MYO5C, que codificam para as proteínas diméricas MyoVa, MyoVb e MyoVc. Essas proteínas motoras são responsáveis pelo transporte vetorial de vesículas, organelas, ácidos nucléicos e proteínas, fundamentais para exocitose, reciclagem de membranas e polarização celular, processos que estão intimamente relacionados com a pigmentação da pele, plasticidade sináptica e diferenciação celular. A maioria dos carregamentos transportados por MyoVs se ligam ao seu domínio cauda globular, localizado na região C-terminal da proteína, por meio de uma ou mais proteínas adaptadoras. Além disso, o domínio cauda globular contém um sítio de fosforilação cuja função ainda não é bem descrita. Evidências indicam que este evento possa atuar tanto como mais um nível de regulação da MyoVa para a escolha de carregamentos, ou também para indicar o momento em que a liberação desses carregamentos deve ser realizada. Neste sentido, por meio da técnica de duplo hibrido em levedura, buscamos expandir no conhecimento do interactoma da MyoVa principalmente relacionado ao evento de fosforilação. A partir do uso de um duplo mutante fosfo-mimético foi identificado quatro novos possíveis parceiros moleculares: Spermine Synthase; Tandem C2 Nuclear Protein; WD Repeat-Containing Protein 48; e Cold Shock Domain-Containing Protein E1. Duas das interações – Spermine Synthase (que teve sua interação confirmada in vitro) e Tandem C2 Nuclear Protein – foram estudadas por imunocitoquímica; e essas proteínas apresentaram um padrão pontual e discreto de colocalização com a MyoVa no citoplasma, e alterações fenotípicas quando o gene MYO5A foi silenciado por siRNA. Inesperadamente nenhuma das proteínas identificadas, validadas e curadas pelo método de duplo hibrido em levedura mostrou uma preferência de interação pela forma fosfo-mimética in vitro, o que não permitiu avançar no melhor entendimento da função dessa fosforilação. Paralelamente, outra interação inédita entre a MyoVc e a Rab3A foi alvo de estudos biofísicos e celulares, que se originou da parceria do nosso grupo de pesquisa com o Prof. Fukuda da Universidade Tohoku, sugerindo um potencial novo papel biológico para a MyoVc que é ainda pouco estudada em comparação com à MyoVa (AU)

Processo FAPESP: 14/00584-5 - Entendimento do papel da fosforilação do domínio de ligação a cargas (CBD) na regulação da função de miosinas não convencionais da Classe V
Beneficiário:Luciano Graciani Dolce
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado Direto