Busca avançada
Ano de início
Entree


Mosquitos (Diptera, Culicidae) em área de transmissão de malária aviária: identificação de potenciais vetores de hemosporídeos do gênero Culex

Texto completo
Autor(es):
Roseli França Simões
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Faculdade de Medicina (FM/SBD)
Data de defesa:
Membros da banca:
Karin Kirchgatter; Fabio de Almeida; Tamara Nunes de Lima Camara; Juliana Telles de Deus
Orientador: Karin Kirchgatter
Resumo

Parasitas da malária aviária são parasitas disseminados, transmitidos por insetos Culicidae pertencentes a diferentes gêneros. Embora vários estudos tenham sido realizados recentemente, ainda faltam informações sobre os potenciais vetores de Plasmodium, principalmente nas regiões Neotropicais. Estudos anteriores com animais de vida livre e cativos no Zoológico de São Paulo mostraram a presença de várias espécies de Plasmodium e Haemoproteus. Em 2015, um estudo piloto foi realizado no zoológico para coletar mosquitos a fim de descobrir (i) quais espécies de Culicidae estão presentes na área de estudo, (ii) quais são suas fontes de alimentação de sangue, e (iii) quais espécies podem ser vetores potenciais para Plasmodium. Ao mesmo tempo, considerando que Culex é o maior subgênero dentro do gênero Culex com importantes vetores de doenças e que a correta identificação de mosquitos é fundamental para estratégias de controle eficazes, um método alternativo de identificação foi testado. Assim, os mosquitos foram identificados morfologicamente, molecularmente e por morfometria geométrica de asas (WGM). A fonte de repasto sanguíneo e o DNA de parasitas hemosporídeos foram identificados usando protocolos moleculares. Um total de 25 espécies de Culicidae foi identificado, com seis positivas para DNA de Plasmodium ou Haemoproteus. Dez espécies de mosquitos tiveram sua fonte de alimentação de sangue identificada, principalmente aves, incluindo algumas espécies que foram positivas para hemosporídeos no estudo anterior mencionado. O WGM foi usado para onze espécies de Culex de São Paulo, Brasil, e uma de Esquel, Argentina. A análise de variável canônica (CVA) foi realizada e uma árvore de neighbor-joining (NJ) foi construída para ilustrar os padrões de segregação de espécies. Um teste de reclassificação com validação cruzada também foi realizado. De 110 comparações no teste de reclassificação com validação cruzada, 87 produziram valores superiores a 70%, com 13 comparações gerando pontuações de reclassificação de 100%. Culex quinquefasciatus apresentou os maiores escores de reclassificação entre as espécies analisadas, corroborando com os resultados obtidos pela CVA, onde Cx. quinquefasciatus foi a espécie mais distinta. Os altos valores obtidos no teste de reclassificação com validação cruzada e na análise de NJ, bem como a segregação observada na CVA, possibilitaram distinguir entre espécies de Culex com alto grau de confiança, sugerindo que WGM é uma ferramenta confiável para identificar essas espécies. Além disso, este estudo nos permitiu expandir a lista de vetores potenciais de parasitas da malária aviária e melhorar nosso conhecimento sobre as relações evolutivas e ecológicas entre as comunidades altamente diversas de pássaros, parasitas e vetores presentes no Zoológico de São Paulo (AU)

Processo FAPESP: 17/23407-0 - Mosquitos (Culicidae, Diptera) em área de transmissão de malária aviária: identificação de potenciais espécies vetoras
Beneficiário:Roseli França Simões
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado