Busca avançada
Ano de início
Entree


O voto da fé: comportamento eleitoral e recrutamento partidário dos deputados estaduais evangélicos em São Paulo (2002-2014)

Texto completo
Autor(es):
Marcela Tanaka
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Campinas, SP.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Data de defesa:
Membros da banca:
Rachel Meneguello; Maria do Socorro Sousa Braga; Ronaldo Almeida
Orientador: Rachel Meneguello
Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender a relação entre religião e política no contexto subnacional brasileiro. Em específico, trabalhamos com os deputados estaduais evangélicos eleitos no estado de São Paulo entre 2002 e 2014. Buscamos responder à duas questões que envolvem duas dimensões do fenômeno. A primeira delas é centrada na geografia eleitoral do voto nesses candidatos. Buscamos responder se existiria um ou mais contextos que propiciariam a formação de um voto evangélico. Nossa hipótese é de que contextos com menor escolaridade e renda e maior vulnerabilidade social estariam associados a maiores taxas de votação nesses candidatos. A partir de análises espaciais, mapeadas por município e por região administrativa no caso da capital paulista, concluímos que existe uma característica urbana associada ao voto, além de uma resposta às relações de centro-periferia, na qual a teologia pentecostal teria encontrado terreno fértil para expansão. A segunda dimensão é a da relação entre o processo de seleção interno das candidaturas oficiais e o recrutamento partidário. Nossa hipótese é que a partir de estratégias de recrutamento centrada nos líderes partidários, no modelo de patronagem e nas regras informais do jogo eleitoral, os partidos utilizam-se das "máquinas evangélicas" como atalhos para a seleção de candidatos que possuam apelo eleitoral. A partir de uma metodologia qualitativa, com entrevistas com os deputados eleitos pela 18o legislatura, encontramos que as diferentes denominações recrutam seus candidatos de maneiras distintas. Na Assembleia de Deus, em que pesa o carisma pessoal do candidato com a liderança e na Igreja Universal, em que a força reside no carisma institucional. Para além disso, encontramos que a escolha partidária se dá sob a ótica de um corpo selecionador que detém controle sobre a lista partidária e um conjunto de regras que torna ampla a possibilidade de candidatura (AU)

Processo FAPESP: 16/15307-2 - Comportamento eleitoral e estratégias partidárias de recrutamento dos deputados estaduais evangélicos em São Paulo (2002-2014)
Beneficiário:Marcela Gimenes Tanaka
Modalidade de apoio: Bolsas no Brasil - Mestrado