Busca avançada
Ano de início
Entree


Ácido gálico e seus ésteres como agentes anti - Helicobacter pylori e sequestradores de oxidantes produzidos por neutrófilos

Texto completo
Autor(es):
Vanessa Gonçalves Wolf
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual Paulista (Unesp)
Data de defesa:
Orientador: Valdecir Farias Ximenes; Luiz Marcos da Fonseca
Resumo

Helicobacter pylori é um dos principais causadores de gastrite crônica e úlcera péptica, e embora o mecanismo envolvido na inflamação gástrica por esta bactéria não esteja completamente elucidado, sabe-se do importante papel das espécies reativas de oxigênio (EROs) produzidas por polimorfonucleares neutrófilos, que são atraídos e ativados pelo agente da infecção, sem que, entretanto, consigam debelar a mesma, mas que contribuem fortemente para a lesão tecidual e o processo inflamatório crônico. Diante disso, tem aumentado a busca de novas estratégias de tratamento que possam levar à redução do estresse oxidativo gerado no sítio da infecção, com consequente redução do processo inflamatório. Neste sentido, ácido gálico, juntamente com seus ésteres (galato de metila, propila, hexila e octila), foram utilizados neste estudo, com o objetivo de avaliar suas ações como inibidores da liberação de EROs por neutrófilos ativados, bem como seus efeitos antimicrobianos sobre H. pylori. Para a avaliação da atividade antioxidante dessas substâncias foram realizados ensaios livres de células (efeito supressor sobre o radical DPPH e sobre radicais peroxila), e o efeito anti-EROs foi avaliado utilizando neutrófilos isolados de sangue humano estimulados por H. pylori, Zymosan ou PMA, através de ensaio quimiluminescente dependente de luminol ou lucigenina, ensaio com WST-1, ensaio de inibição da produção de HOCl, e o teste do NBT. Ensaio antimicrobiano foi realizado através da técnica de microdiluição em caldo. A presença da cadeia lateral carbônica levou a um significativo aumento na capacidade dos ésteres em inibir a produção de EROs por neutrófilos ativados, quando comparados ao ácido precursor, com destaque para os galatos de hexila e octila, que inibiram em quase 100% a produção de radical ânion superóxido, bem como de todas as EROs do burst oxidativo de forma geral. Galatos de octila e hexila também mostraram-se ser as moléculas com maior atividade antimicrobiana sobre H. pylori, com um valor de CIM de 125 e 250g/mL, respectivamente, ao passo que as demais substâncias apresentaram valor de CIM acima de 1000 g/mL. Os resultados obtidos mostram o grande potencial dos ésteres do ácido gálico quanto à suas atividades anti-H. pylori e anti-EROs, e além disso demonstram a importância da presença de uma cadeia carbônica lateral, conferindo maior hidrofobicidade à molécula, para obter-se a máxima atividade antimicrobiana in vitro e a máxima atividade antioxidante em modelo ex vivo. Assim, os ésteres do ácido gálico apresentam-se como moléculas promissoras no tratamento da infecção por Helicobacter pylori, apresentando ação antimicrobiana sobre o mesmo, bem como na redução do estresse oxidativo gerado no sítio da infecção. (AU)

Processo FAPESP: 15/21693-0 - Ácido gálico e seus ésteres como agentes anti -Helicobacter pylori e sequestradores de oxidantes produzidos por neutrófilos
Beneficiário:Vanessa Gonçalves Wolf
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado