Busca avançada
Ano de início
Entree


Técnicas de restauração de fisionomias campestres do cerrado e fatores ecológicos atuantes

Texto completo
Autor(es):
Natashi Aparecida Lima Pilon
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Campinas, SP.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Giselda Durigan; Alessandra Fidelis; Osmar Cavassan
Orientador: Giselda Durigan
Resumo

As fisionomias campestres do Cerrado têm tido suas áreas de ocorrência reduzidas por fatores diversos, que incluem a conversão para a produção agropecuária, invasões biológicas e até mesmo o adensamento decorrente da supressão do fogo. Ações para garantir a conservação da diversidade que vem sendo perdida devem compreender o fim da conversão, a viabilização de práticas de manejo e o desenvolvimento de técnicas de restauração das fisionomias campestres. Para contribuir no âmbito dos desafios relativos à restauração, neste estudo avaliamos o sucesso de diferentes técnicas de restauração ecológica para fisionomias campestres do Cerrado ¿ campo cerrado e vereda, bem como a resiliência dos ecossistemas naturais que foram utilizados como fonte de propágulos. O estudo foi realizado na Estação Ecológica de Santa Bárbara - EEcSB, onde coletamos material nas áreas em que os ecossistemas se encontram intactos, para a restauração de áreas em que a vegetação nativa foi totalmente suprimida pela invasão por Pinus elliottii, não existindo potencial de regeneração natural. No campo cerrado aplicamos cinco tratamentos de restauração: 1- remoção da camada de acículas remanescentes da invasão; 2 - semeadura direta; 3- transferência de topsoil; 4- transferência de topsoil + semeadura direta; 5- transplante de material vegetal, que foram comparados com parcelas controle, sem nenhuma intervenção. Na vereda aplicamos três tratamentos de restauração: 1- remoção da camada de acículas remanescentes da invasão; 2- semeadura direta; 3- transferência de material vegetal, que foram comparados ao controle. Para avaliar a resiliência das áreas fonte de propágulos, a retirada do material foi feita em três diferentes tamanhos de clareiras, em cada uma das fisionomias. Dentre as técnicas de restauração testadas para o campo cerrado, a transferência de topsoil e o transplante de material vegetal foram as técnicas mais bem sucedidas. Para a vereda, todos os tratamentos aplicados foram efetivos, sendo que a simples remoção da camada de acículas já foi suficiente para permitir o estabelecimento de uma comunidade estruturalmente similar ao ecossistema de referência. O transplante de material vegetal foi o melhor tratamento em termos de recuperação das espécies endêmicas, densidade e cobertura vegetal em ambas as fisionomias. As áreas fonte de propágulos apresentaram alta resiliência frente ao distúrbio decorrente da extração do material (plantas inteiras e topsoil), ultrapassando os valores de riqueza da comunidade pré-distúrbio em menos de um ano. Portanto, foi possível restaurar o campo cerrado e a vereda utilizando áreas naturais como fonte propágulos sem degradá-las (AU)

Processo FAPESP: 14/05573-1 - Avaliação do potencial de remanescentes naturais como fontes de propágulos para a restauração de fisionomias campestres de cerrado
Beneficiário:Natashi Aparecida Lima Pilon
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado