Busca avançada
Ano de início
Entree

Magnetoestratigrafia de testemunhos marinhos da margem equatorial do Brasil

Processo: 22/07154-2
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2022
Vigência (Término): 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Geológica
Pesquisador responsável:Luigi Jovane
Beneficiário:Abosede Olubukunola Abubakre
Instituição Sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/24946-9 - Mudanças do nível do mar e o Sistema Monçônico Global: avaliação através de testemunhos marinhos no Brasil, AP.PFPMCG.TEM
Assunto(s):Paleomagnetismo   Margens continentais   Oceano Atlântico   Cretáceo   Geodinâmica   Sedimentologia marinha   Brasil
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Brazilian Equatorial Margin | envoronmental magnetism | Magnetostratigraphy | marine cores | paleomagnetism | Potiguar | Paleomagnetismo

Resumo

A Margem Equatorial Brasileira (BEM) caracteriza-se como uma clássica margem continental passiva e estável que se desenvolveu após a abertura do Oceano Atlântico central no Cretáceo médio. A margem abriga grandes sucessões marinhas em bacias sedimentares adjacentes offshore que se desenvolveram durante o Cretáceo Inferior. Sugestões da interação de mudanças climáticas cenozóicas, flutuação do nível do mar e tectônica regional tornam a margem um local natural atraente para a compreensão de sucessões marinhas de margem continental de longo prazo e registros paleoambientais. Para tanto, este estudo proposto busca fornecer medições magnéticas e paleomagnéticas de rochas de testemunhos marinhos coletados ao longo do BEM. Uma investigação dos minerais magnéticos (ou seja, magnetofósseis) em sucessões marinhas da margem seria usada para decifrar indicadores paleoambientais e condições climáticas com base em sua correlação e integração com geoquímicos (valores de isótopos estáveis) das sucessões marinhas hospedeiras. Os dados magnéticos da rocha produzidos neste estudo (ou seja, suscetibilidade magnética, a coercividade de minerais magnéticos; magnetização remanescente isotérmica de saturação (SIRM), HIRM e laços de histerese) serão integrados com o paleoambiente inferido das litofácies nos núcleos marinhos do BEM. O desenvolvimento de um quadro magnetoestratigráfico e dados magnéticos de rochas com base na análise das propriedades magnéticas das sucessões marinhas da margem servirá como uma ferramenta útil para inferir as condições climáticas e as flutuações do nível do mar associadas. A interpretação desses aspectos do estudo fornecerá insights sobre as condições paleoambientais e a geodinâmica do campo magnético da Terra durante a deposição de sucessões marinhas. Esses resultados podem melhorar nossa compreensão do influxo de detríticos terrígenos para a margem brasileira durante os períodos de regressão e transgressão do Oceano Atlântico Sul através do tempo geológico. Além disso, inferências e inventários dos resultados deste projeto permitirão estabelecer a ligação entre as diversas condições paleoambientais, flutuações do nível do mar e correntes equatoriais globais associadas, e o isolamento mais antigo entre as regiões do Atlântico Oeste e Leste. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)