Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos integrativos da tolerância térmica e da desidratação nos estágios iniciais de vida de pererecas neotropicais

Processo: 22/00330-0
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2022
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Comparada
Pesquisador responsável:Fernando Ribeiro Gomes
Beneficiário:Estefany Caroline Guevara Molina
Instituição Sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):22/15975-6 - Implicações da desidratação e a temperatura na fisiologia e no comportamento durante a estivação dos sapos-pés de chumbo ibéricos (Pelobates cultripes), BE.EP.DR
Assunto(s):Ecologia   Comportamento animal   Fisiologia animal   Anfíbios   Anura   Phyllomedusa   Termotolerância   Desidratação   Estresse hídrico   Mudança climática
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Anfíbios | comportamento embrionário | Estresse Hídrico | tolerância térmica | vulnerabilidade climática | Ecologia, comportamento animal e fisiologia

Resumo

As mudanças climáticas estão aumentando tanto as temperaturas ambientais quanto as secas em todo o mundo. Os anuros são um grupo particularmente sensível a essas mudanças ambientais, devido à sua condição ectotérmica e à necessidade de corpos de água para sua reprodução. Muitos anuros tropicais põem ovos terrestres, contando com a umidade do ambiente para o desenvolvimento embrionário. Esses ovos são vulneráveis à desidratação, que pode alterar o desenvolvimento ou causar mortalidade. No entanto, em algumas espécies, os embriões podem eclodir prematuramente para escapar dos ovos secos. As respostas de eclosão ao calor só foram examinadas em uma espécie até o momento; embriões da perereca de olhos vermelhos, Agalychnis callidryas, podem eclodir em resposta ao aquecimento. Além disso, nossos resultados preliminares com A. callidryas sugerem que a desidratação reduz a magnitude e a duração da tolerância térmica, levando aos embriões a eclodirem mais rapidamente e em temperaturas mais baixas. No entanto, esses dados precisam ser expandidos e comparados com outras espécies que apresentam outras estratégias de oviposição que podem desempenhar um papel importante durante o desenvolvimento embrionário. Não sabemos se outras espécies filogeneticamente próximas de A. callidryas, como espécies de filomedusídeos que envolvem suas desovas com folhas, também possuem os mesmos mecanismos de resposta contra altas temperaturas e desidratação. Portanto, nosso projeto propõe um estudo comparativo para avaliar os efeitos interativos da desidratação e das altas temperaturas sobre os embriões de pererecas neotropicais que depositam desovas abertas com pererecas que depositam desovas embrulhadas em folhas. Para isso, utilizaremos A. callidryas, uma espécie Neotropical cujo desenvolvimento e comportamento embrionário tem sido bem estudado. Além disso, propomos o uso de Phyllomedusa distincta, uma perereca endêmica do Brasil para a qual nada foi documentado a esse respeito e que deposita suas garras envoltas em folhas. Para ambas as espécies, mediremos a tolerância térmica (VTMax) de embriões dentro de desovas desidratadas e completamente hidratadas. Além disso, para avaliar o papel da estrutura da desovas e da planta ao redor dos ovos (por exemplo, geleia, proteção foliar), mediremos o VTMax de embriões de ambas as espécies em ovos isolados de sua desova e criados em condições de hidratação e desidratação. Esperamos que nosso projeto possa demonstrar um ensaio comportamental conveniente para a tolerância térmica de embriões de anuros terrestres e revelar efeitos interativos da desidratação e as altas temperaturas em um estágio inicial da vida. Dependendo dos resultados, este trabalho poderia ser expandido para um estudo comparativo maior de mais espécies com desovas abertas e envoltas e/ou testes experimentais de como as estratégias parentais afetam o ambiente de termorregulação e osmorregulação de seus embriões. Tais informações ecofisiológicas podem melhorar nossa compreensão sobre a vulnerabilidade e os mecanismos de autodefesa das desovas de anuros terrestres frente ao estresse hídrico e térmico devido às mudanças climáticas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)