Busca avançada
Ano de início
Entree

Estéticas mbya da (r)existência: relações entre cinema, xamanismo e gênero

Processo: 22/01250-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2022
Vigência (Término): 31 de maio de 2026
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Etnologia Indígena
Pesquisador responsável:Renato Sztutman
Beneficiário:Aline de Oliveira Aranha
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Guarani Mbya   Xamanismo

Resumo

Se o xamanismo é o meio por excelência de resistência mbya contra o Estado, o cinema guarani, enquanto um meio eficaz de se fazer ver e ouvir para fora das aldeias na luta por direitos territoriais e sociais, poderia ser pensado como uma estratégica xamânica renovada de resistência e expressão de sua ética e estética cosmopolítica, capaz de oferecer em sua crítica xamânica dos modos de ver, ouvir e viver não-indígenas (jurua reko), uma alternativa possível à política do mundo jurua, inspirando outros modos de (r)existir. Fazer cinema entre os Guarani implicaria fazer aparecer seu xamanismo e suas relações entre gêneros. A linguagem do cinema, embora vinda de fora, se aproxima à sua tradição oral-visual, a seus modos próprios de ser-viver-pensar-agir (nhandereko), de contar histórias e transmitir saberes e conhecimentos. Enquanto uma experiência política de encontros e desencontros, negociações e colaborações entre múltiplos sujeitos e mundos, o cinema guarani, seus e suas realizadores(as) e coletivos constituem neste projeto, espaços privilegiados para apreensão e tradução dessa estética da ação cosmopolítica Mbya. A partir do contexto atual de produção e circulação de filmes realizados pelo Coletivo Mbya-Guarani de Cinema e o Coletivo de Cine Mbya Ara Pyau, localizados entre as fronteiras do Brasil e Argentina, e com especial atenção à atuação e perspectivas das mulheres guarani (kunhãgue) e de seus modos próprios de ser, agir e se comportar (kunhãgue reko), a pesquisa se propõe oferecer uma análise crítica das relações entre cinema guarani, xamanismo e gênero. O cinema é tomado aqui como uma via de acesso ao xamanismo guarani e toda sua diplomacia cosmopolítica, o que inclui as relações entre gêneros, contribuindo para o debate sobre o lugar e importância das mulheres indígenas nesses espaços.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)