Busca avançada
Ano de início
Entree

A hora do dia e a estação do ano estão associadas à ingestão alimentar e ao risco de obesidade?

Processo: 22/01985-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 29 de julho de 2022
Vigência (Término): 28 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Claudia Roberta de Castro Moreno
Beneficiário:Claudia Roberta de Castro Moreno
Anfitrião: Debra Jean Skene
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa: University of Surrey, Inglaterra  
Assunto(s):Cronobiologia   Nutrição   Obesidade   Sazonalidade   Epidemiologia

Resumo

A prevalência mundial da obesidade tornou-se um desafio para a saúde pública em todo o mundo. Dado que as diferentes intervenções propostas para tratar o excesso de peso não são eficazes o suficiente para controlar a redução das taxas de obesidade, torna-se evidente a necessidade de uma compreensão mais profunda dos fatores associados à obesidade. Nessa perspectiva, os fatores crononutricionais têm o potencial de contribuir para uma melhor compreensão do assunto, de modo que novas abordagens, como a alimentação com restrição de tempo, possam ser adicionadas aos métodos tradicionais de prevenção e tratamento. Este projeto tem como objetivo analisar se o risco de obesidade na população brasileira está associado aos horários e estações do ano de ingestão de alimentos. Serão analisados dados de um estudo transversal realizado no Brasil a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 (POF). A amostra envolveu 32.898 indivíduos. Dois recordatórios alimentares de 24 horas registraram o consumo alimentar. Os padrões alimentares relacionados ao tempo incluem o horário da primeira e da última refeição, duração da alimentação, jejum noturno, jejum noturno de 12 horas e número de refeições. Esses dados serão coletados no banco de dados. Além disso, as datas em que os dados de consumo alimentar foram obtidos serão utilizadas para identificar a estação do ano. Os valores lineares do índice de massa corporal (IMC) serão utilizados como medidas de desfecho. Regressões logísticas múltiplas serão utilizadas para avaliar as associações entre as variáveis. Os modelos serão ajustados para características sociodemográficas e de estilo de vida. Essas análises serão realizadas em conjunto com a professora Debra Skene da Universidade de Surrey. Além disso, esta é uma proposta guarda-chuva que inclui atividades a serem realizadas pela Profa. Cibele Crispim durante sua visita à Universidade de Surrey, e Jefferson Santos, pós-doutorado na Faculdade de Saúde Pública sob minha supervisão.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)