Busca avançada
Ano de início
Entree

Novos olhares sobre o patrimônio industrial ferroviário: cultura e sociedade na Vila de Paranapiacaba (1946-1981)

Processo: 21/08597-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2022
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2026
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Eduardo Romero de Oliveira
Beneficiário:Pedro Henrique Victorasso
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (FCHS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Franca. Franca , SP, Brasil
Assunto(s):Patrimônio cultural   Patrimônio ferroviário   História oral   Memória social   Paranapiacaba (SP)   Século XX

Resumo

O presente projeto de pesquisa tem como objetivo reconstituir a memória social dos moradores da Vila de Paranapiacaba a fim de contribuir para uma visão mais alargada desse bem cultural com valor histórico, tombado na esfera federal, estadual e municipal. Partimos da hipótese de que não há uma coincidência clara entre as memórias sociais atualmente existentes e os bens ferroviários protegidos. A pergunta que se coloca é: As práticas atuais de reconhecimento dos patrimônios industriais ferroviários dão conta da preservação de elementos sociais já conceituados? Desse modo, pretendemos recuperar as memórias dos moradores e ex-moradores da Vila de Paranapiacaba entre os anos de 1946 e 1981. O recorte temporal escolhido marca o fim da concessão do trecho da ferrovia à SPR, que, em 1946, foi encampada pelo governo brasileiro e, logo depois, nomeada como Estrada de Ferro Santos Jundiaí (EFSJ). O ano de 1981, por sua vez, é referente à desativação total do sistema funicular, que resultou em aposentadorias, demissões e, por conseguinte, num êxodo dos trabalhadores para municípios da região. Entendemos que esse período de transição de um modelo de gestão inglesa para a administração brasileira gerou mudanças na sociabilidade da população desse local. Para que possamos verificar essas questões, serão realizadas entrevistas com moradores e ex-moradores que vivenciaram o período estudado, de acordo com a metodologia da História Oral. Também utilizaremos como fontes históricas os processos de tombamento da vila, o acervo do Museu de Santo André e acervos particulares de famílias de ferroviários. Sendo assim, nossa proposta de pesquisa busca contribuir para uma visão mais ampla deste patrimônio histórico e cultural ao abordar aspectos do lazer e da religiosidade, a partir de elementos da cultura intangível. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)