Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da associação entre distintas adesinas de Escherichia coli diarreiogênica e uma nova adesina autotransportadora identificada em um isolado de E. coli enteropatogênica atípica do sorotipo O2:H16

Processo: 21/12754-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2022
Vigência (Término): 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Rodrigo Tavanelli Hernandes
Beneficiário:Guilherme Frizzarin Ramalhães de Souza
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/14821-7 - Explorando novas estratégias de virulência em Escherichia coli, AP.TEM
Assunto(s):Adesinas   Aderência bacteriana   Células epiteliais   Escherichia coli   Virulência
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Adesina | autotransportadora | Escherichia coli | Virulência | Patogenicidade Bacteriana

Resumo

A aderência de Escherichia coli a células epiteliais e a superfícies abióticas é um fenótipo multifatorial que envolve a ação conjunta tanto de adesinas fimbriais como afimbriais. E. coli enteropatogênica (EPEC) e enteroagregativa (EAEC) são os patotipos de E. coli diarreiogênica mais frequentemente isolados em diversos estudos epidemiológicos realizados no Brasil e em diversos outros países. Devido a esse fato, muitos estudos têm se dedicado a desvendar as adesinas responsáveis pelos fenótipos de aderência localizada (AL), localizada-like (AL-like) em EPEC típica (tEPEC) e atípica (aEPEC), respectivamente; bem como as adesinas responsáveis pelo padrão agregativo (AA) em EAEC. Uma das primeiras características fenotípicas descrita em isolados de tEPEC foi o padrão AL, que é mediado por uma fimbria do tipo IV denominada bundle-forming pilus (BFP). Tanto tEPEC como aEPEC são capazes de produzir uma lesão histopatológica nas células infectadas denominada attaching and effacing (AE), cuja ligação íntima da bactéria à célula epitelial é mediada pela ligação da adesina intimina ao seu receptor translocado Tir (translocated intimin receptor). Por outro lado, os isolados de EAEC produzem um padrão de aderência caracterizado pela disposição das bactérias de forma a se assemelharem a uma parede de tijolos empilhados (padrão AA), que é mediada pela produção de uma das cinco adesinas de aderência agregativa (AAF) descritas até o momento. Recentemente, nosso laboratório identificou uma nova adesina autotransportadora (AAT), Sistema de secreção do tipo V, em isolados de aEPEC do sorotipo O2:H16. Dados preliminares têm demonstrado o envolvimento dessa nova AAT no fenótipo de autoagregação bacteriana. O objetivo central desse projeto de pesquisa é avaliar o efeito da coprodução da nova AAT com adesinas bem caracterizadas dos patotipos EPEC (Intimina e BFP) e EAEC (AAF/I - AAF/V e AFP) nos fenótipos de autoagregação e formação de biofilme em superfície abiótica.(AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)