Busca avançada
Ano de início
Entree

Associação entre melatonina e exercício aeróbio de baixa intensidade no aumento da proteína utrofina no músculo cardíaco de camundongos mdx

Processo: 21/08197-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2021
Vigência (Término): 30 de setembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Anabelle Silva Cornachione
Beneficiário:Júlia Furlan Chinelatto
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Reabilitação   Distrofia muscular de Duchenne   Treinamento aeróbio   Cardiomiopatias   Melatonina   Utrofina   Imunofluorescência   Laser de baixa intensidade   Western blotting

Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é a mais comum e severa distrofia muscular que acomete cerca de 21,4 a cada 100.000 meninos nascidos vivos. Ela ocorre devido à ausência da proteína distrofina, resultando na perda progressiva de tecido muscular, fraqueza muscular e cardiomiopatia. Por não ter cura, tratamentos envolvendo terapias físicas e farmacológicas são constantemente explorados, e a prática de exercícios aeróbios de baixa intensidade vem mostrando eficiência na melhora da capacidade do músculo cardíaco distrófico, apesar de poder aumentar o processo degenerativo devido à produção de ERO (espécies reativas de oxigênio). Para conter essa produção, é comum a utilização de fármacos como a melatonina, a qual leva ao aumento da utrofina, proteína homóloga à distrofina e com grande importância em cardiomiopatias nos portadores de DMD. Entretanto, poucos estudos demonstraram os benefícios da associação entre o exercício aeróbio de baixa intensidade e a melatonina no músculo cardíaco. Assim sendo, o objetivo deste projeto é analisar os conteúdos de utrofina e de nitrotirosina (marcador de ERO) no músculo cardíaco de camundongos mdx após treinamento aeróbio de baixa intensidade associado à melatonina. Para tal, 24 animais mdx serão divididos aleatoriamente em quatro grupos: (1) controle sedentário (mdxS); (2) melatonina (mdxM); (3) treinado com melatonina (mdxTRM) e (4) treinado (mdxTR). Após os procedimentos, os animais serão eutanasiados e seus corações excisados para análise dos conteúdos de utrofina e nitrotirosina através de Western Blotting e Imunofluorescência. Espera-se verificar uma adaptação positiva do tecido cardíaco distrófico, com aumento de utrofina e diminuição de nitrotirosina em decorrência do treinamento associado à melatonina. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)