Busca avançada
Ano de início
Entree

Sentenças complexas em línguas do Sudoeste Amazônico

Processo: 20/01759-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de outubro de 2021
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2022
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Pesquisador responsável:Luciana Raccanello Storto
Beneficiário:Luciana Raccanello Storto
Anfitrião: Katharina Haude
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa: Structure et Dynamique des Langues (SEDYL), França  
Assunto(s):Semântica   Sintaxe

Resumo

Este projeto de pesquisa no exterior pretende propor uma maneira inovadora de trabalhar com descrição e análise de sentenças complexas em línguas indígenas, que integra avanços recentes de tipologistas e formalistas (van Gijn, Haude & Muysken 2011, van Gijn, Hammond, MaticÊ, van Putten & Galucio 2014 e Amaral, Maia, Nevins & Roeper 2018). A proposta é aproximar as duas tradições teóricas, sugerindo uma metodologia inovadora na qual pesquisadores de ambos os campos coletarão dados baseados em questionários sobre sentenças complexas contextualizadas e compararão seus resultados em busca de universais e variação. Sentenças complexas, ou seja, sentenças formadas por mais de uma oração ou sentença, constituem um desafio para a linguística, porque são as estruturas mais complexas presentes em qualquer língua. Até o momento, linguistas de ambas as tradições têm perseguido seus objetivos independentemente no estudo destas estruturas, mas avanços recentes no campo sugerem que eles estejam maduros para encarar o desafio de comparar resultados. Por exemplo, dois workshops internacionais sobre orações complexas, organizados no Brasil pelos membros do Projeto COSY, do ZAS, Berlin, aconteceram em 2019, nos quais formalistas e tipologistas apresentaram e discutiram trabalhos sobre sentenças complexas em línguas indígenas do Brasil.A pesquisadora responsável pelo projeto, especialista em sintaxe formal, organizará uma conferência que será realizada em março de 2021 no Sedyl em Paris, juntamente com sua supervisora de pesquisa no exterior Katharina Haude (CNRS), especialista em sintaxe tipológica, na qual pesquisadores de ambas as tradições teóricas serão convidados a contribuir com dados e análises de sentenças complexas como, por exemplo, subordinadas de vários tipos e construções de predicação não verbal. Eles apresentarão, além de dados de textos, respostas a questionários em que sentenças complexas contextualizadas serão elicitadas de maneira padronizada em diversas línguas. Espera-se que os debates resultarão em discussões proveitosas, que poderão gerar coautorias entre os participantes em capítulos de um livro que será organizado pela responsável pelo projeto e sua supervisora no exterior. Como resultado desta colaboração, pretendemos criar um grupo de pesquisa que continuará contribuindo da mesma maneira em uma conferência em 2022, a ser realizada no Departamento de Linguística da Universidade de São Paulo (instituição da responsável pelo projeto). A responsável elaborará os questionários que respondem a questões da linguística formal e sua supervisora no Laboratório Sedyl (da Université Paris Sorbonne Cité) ficará encarregada de endereçar as questões da tipologia funcionalista na chamada das conferências. Este projeto também pretende contribuir para a reconstrução do contato linguístico no Sudoeste Amazônico, uma área linguística descrita na literatura como Área Guaporé-Mamoré, referindo-se a dois rios na fronteira entre Brasil (Rondônia) e Bolívia (Crevels & van der Voort 2008). Trata-se de uma região que foi multilíngue no passado, da qual pouco se sabe linguisticamente e, também, dos pontos de vista antropológico e arqueológico. A responsável e sua supervisora em Paris especializam-se em línguas desta região (Karitiana em RO, Brasil e Movima na Bolívia, respectivamente). Colaboradores de ambas as pesquisadoras participarão das conferências, a fim de se obter dados comparáveis em diversas línguas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)