Busca avançada
Ano de início
Entree

Movimento em valsa: ativismo político de pessoas trans no Sul de Moçambique

Processo: 20/11927-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2021
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia
Pesquisador responsável:Isadora Lins França
Beneficiário:Francisco Paolo Vieira Miguel
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):21/10298-3 - Movimento em valsa: ativismo político de pessoas trans no sul de Moçambique em uma perspectiva comparada, BE.EP.PD
Assunto(s):Etnologia   Etnografia   Ativismo político   Movimentos sociais   Pessoas transgênero   LGBTQIA+   Sexualidade   Região Sul   Moçambique

Resumo

A pesquisa pós-doutoral aqui proposta tem por objetivo geral investigar histórica e etnograficamente a emergência do movimento político-social de pessoas trans no Sul de Moçambique. Estou particularmente interessado em suas ações e estratégias narrativas de reivindicação de direitos e sua relação com a sociedade e o Estado moçambicanos. Além disso, interessa-me colocar em perspectiva tais aspectos e relações com outros cenários regionais e globais de ativismos de gênero e sexualidade. A hipótese a ser testada é a da existência concomitante, em Moçambique, de uma recente - e em construção - tentativa de revolução sexual agenciada pelo movimento trans, ao mesmo tempo em que o mesmo parte de e adere a valores tradicionais, como o sistema de gênero binário e hierárquico, a gerontocracia, e a insurgência não violenta contra o poder instituído. Em termos teóricos, a pesquisa busca interseccionar o que há de mais sofisticado internacionalmente em três corpos específicos de pesquisa antropológica: o dos estudos de gênero e sexualidade, o da etnologia africana e o da política. Em termos metodológicos, a pesquisa contará com levantamento bibliográfico em instituições acadêmicas e histórico-governamentais no Brasil, em Moçambique e no Canadá; entrevistas semiestruturadas com diversos moçambicanos envolvidos no tema, com particular foco para as pessoas trans; e observação participante com ativistas do movimento LGBT moçambicano e demais sujeitos que de alguma forma - ainda que hostil - relacionam-se com tal movimento. Espera-se que a presente pesquisa possa contribuir de forma inédita tanto para fazer emergirem as ex-colônias portuguesas em África na literatura científica internacional de estudos de gênero e sexualidade, quanto demonstrar uma especificidade propriamente moçambicana no que concerne ao fazer político do e sobre os corpos; algo particularmente relevante no crescente cenário de hostilidades conservadoras. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)