Busca avançada
Ano de início
Entree

Resposta de células pulpares humanas à aplicação de diamino fluoreto de prata e iodeto de potássio sobre a dentina cariada

Processo: 20/15640-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2021
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Josimeri Hebling Costa
Beneficiário:Lídia de Oliveira Fernandes
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Odontopediatria   Materiais dentários   Dentina   Polpa dentária   Iodeto de potássio   Flúor   Microscopia eletrônica de varredura

Resumo

A filosofia da odontologia contemporânea em relação ao tratamento de lesões de cárie está centrada na mínima intervenção. Entre os procedimentos de mínima intervenção, o diamino fluoreto de prata (DFP) tem sido utilizado para a paralização de lesões de cárie, incluindo lesões estabelecidas na metade interna da dentina, desde que não existam indicadores clínicos e radiográficos de comprometimento irreversível do tecido pulpar. Existem materiais no mercado cuja concentração de DFP varia de 12 a 38% e, mais recentemente, foi desenvolvido um material que indica a aplicação de iodeto de potássio (IK) imediatamente após o uso do DFP, para minimizar o efeito indesejável desse composto, o qual resulta no escurecimento do tecido. Entretanto, embora já existam estudos clínicos realizados, ainda não foi produzida evidência científica sobre o possível efeito desses produtos no metabolismo de células pulpares. Portanto, o objetivo do presente trabalho será avaliar a resposta de células odontoblastóides à aplicação de DFP e iodeto de potássio (IK) sobre a dentina cariada. Quarenta dentes molares humanos serão selecionados e após a obtenção de uma superfície plana de dentina, esse tecido será submetido a um protocolo microbiológico de indução de cárie. Em seguida, os dentes serão cortados para a obtenção de discos de dentina cariada (0,4 mm de espessura). Após a adaptação desses discos em câmaras pulpares artificiais, células odontoblastóides MDPC-23 serão semeadas na superfície oposta a superfície cariada. A dentina cariada será tratada com água (controle negativo), peróxido de hidrogênio 29% (controle positivo), DFP 38%, IK ou DPF+IK (n=8/grupo). Finalizado o período de 24 dos tratamentos, as células semeadas nos discos serão avaliadas quanto a sua viabilidade (alamarBlue; n=6) e morfologia (MEV; n=2). O meio condicionado (extrato) será coletado e aplicado sobre novas MDPC-23, agora cultivadas em placas de cultura. Essas células também serão avaliadas quanto a viabilidade, e quanto a formação de nódulos mineralizados (Alizarin red), após 24 horas de contato com os meios condicionados. O conjunto de dados de cada variável resposta será analisado quanto ao tipo de distribuição e homocedasticidade. Uma vez aplicados os testes estatísticos mais apropriados, as inferências serão realizadas ao nível de significância de 5%. A análise da morfologia celular em MEV será descritiva.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)