Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo das propriedades ópticas e termoluminescentes de alexandritas brasileiras

Processo: 20/15626-6
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2021
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2023
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Minas - Pesquisa Mineral
Pesquisador responsável:Neilo Marcos Trindade
Beneficiário:Alexia Oliveira Silva
Instituição Sede: Instituto de Física (IF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):23/04955-7 - Investigação da termoluminescência fototransferida em pastilhas de Alexandrita, BE.EP.IC
Assunto(s):Luminescência   Absorção óptica   Radiação ionizante   Alexandrita   Propriedades ópticas   Termoluminescência   Microanálise   Microscopia eletrônica de varredura
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Absorção Óptica | alexandrita | Dosimetria | mineral | Termoluminescência | Luminescência de Minerais

Resumo

A alexandrita (BeAl2O4: Cr3+) é uma das variedades do crisoberilo que é amplamente encontrada no Brasil e recentemente vem sido estudada para atuar como um material dosimétrico por sua composição combinar BeO e Al2O3, óxidos mais utilizados comercialmente como dosímetro. Por se tratar de um mineral com potencial para o uso dosimétrico, é importante ter conhecimento dos efeitos da radiação ionizante nos centros absorvedores e emissores do material, a partir do uso das técnicas de absorção óptica e termoluminescência (TL). Estudos preliminares com radiação beta mostraram que a alexandrita exibe cinco picos TL (taxa de aquecimento de 1ºC/s) ~ 80ºC (I), 130ºC (II), 170ºC (III), 260ºC (IV) e 310ºC (V), dos quais os dois últimos picos apresentam características dosimétricas. A partir da curva de emissão TL é possível obter parâmetros cinéticos, como energia, fator de frequência e ordem cinética dos possíveis picos dosimétricos, que descrevem as características luminescentes do material. Complementarmente, para verificar a influência da radiação ionizante nas propriedades ópticas de alexandrita, os efeitos da pré e pós-irradiação nas bandas de absorção óptica, na região ultravioleta - visível, serão investigados. A composição química das amostras será obtida através da microanálise pela microscopia eletrônica de varredura (MEV). A pesquisa será realizada em colaboração com a Universidade de São Paulo.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARTINS, R. T. E. K.; FERREIRA, I. A.; SILVA, A. O.; NUNES, M. C. S.; ULSEN, C.; KUNZEL, R.; SOUZA, M. M.; CHITHAMBO, M. L.; YOSHIMURA, E. M.; TRINDADE, N. M.. Thermoluminescence of rose quartz from Minas Gerais, Brazil. Radiation Physics and Chemistry, v. 209, p. 11-pg., . (21/05042-0, 18/05982-0, 21/10117-9, 22/07200-4, 21/12758-1, 20/15626-6, 19/05915-3)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas utilizando este formulário.