Busca avançada
Ano de início
Entree

Metáfora e metonímia: o desejo nas tramas do significante

Processo: 19/26989-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística
Pesquisador responsável:Lauro José Siqueira Baldini
Beneficiário:Elisa Mara Do Nascimento
Instituição-sede: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):21/07176-3 - Desejo, metáfora e metonímia: efeitos de um encontro de Lacan com a linguística nos anos 1950, BE.EP.MS
Assunto(s):Psicanálise   Metáfora   Metonímia   Jacques Lacan

Resumo

O tema desta pesquisa repousa sobre uma relação entre psicanálise e linguística definida segundo Milner (2010) enquanto um "contato constante" que se dá eventualmente sob a forma de um choque ou conflito que não deixa de produzir efeitos em ambas. Toma-se como objeto o conceito de desejo segundo Lacan tal como delimitado pelas noções de metáfora e metonímia, derivadas de uma linguística de base saussuriana, e especificado em textos dos Escritos (1966): O seminário sobre "A carta roubada", Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise, A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud, A direção do tratamento e os princípios de seu poder e Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. Neste âmbito, propõe-se o seguinte problema de linguagem: em que medida os conceitos de metáfora e metonímia, entendidos como "funções essenciais do significante" (LACAN [1957-1958] 1999), assim como a noção de cadeia significante, entendida enquanto um espaço material de visibilidade do desejo, permitiram a Lacan redefinir a categoria de desejo já presente na teoria psicanalítica de Freud? Assim, visa-se compreender a passagem de uma noção de desejo ligada a uma tentativa de repetição de uma experiência originária de satisfação baseada no princípio do prazer para uma dialética entre desejo e uma falta impossível de ser sanada por qualquer objeto concreto, além do papel de uma determinada leitura de conceitos próprios à linguística nesta mudança de estatuto teórico. Nesta última concepção, o desejo está ligado à instauração de uma posição subjetiva: a de sujeito desejante. Pretende-se analisar igualmente em que medida a teorização destes conceitos próprios da linguística de base saussuriana feita no âmbito da psicanálise dita algo a respeito da relação entre esses campos do conhecimento. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)