Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da fluvoxamina sobre as alterações neuroimunes em ratos sépticos

Processo: 19/27231-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2020
Vigência (Término): 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Luiz Guilherme de Siqueira Branco
Beneficiário:Luís Henrique Angenendt da Costa
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/17681-9 - Alterações fisiopatológicas durante a inflamação sistêmica, AP.TEM
Assunto(s):Neuroinflamação   Neurociências   Fluvoxamina   Sepse   Serotonina   Receptores sigma   Imunorregulação   Astrócitos   Microglia   Mediadores da inflamação

Resumo

A Sepse, disfunção orgânica resultante da resposta desregulada a uma infecção, possui fisiopatologia complexa, associada principalmente à produção excessiva de mediadores inflamatórios. Esses mediadores possuem ações deletérias ao organismo, não somente na fase aguda da doença, mas também promovem alterações persistentes naqueles que sobrevivem à Sepse, como déficits cognitivos e de memória. Dada à alta mortalidade na Sepse e o comprometimento neurológico que ela causa, faz-se necessária a investigação de terapias inovadoras e com amplo espectro de ação. Nesse sentido, acreditamos que a manipulação da via serotoninérgica é um potencial alvo de tratamento. Demonstramos recentemente que a administração central de serotonina (5-HT) tem efeito anti-inflamatório na inflamação sistêmica, sugerindo que um tratamento que aumente a biodisponibilidade de 5-HT pode ser benéfico na Sepse. Um possível candidato seria a fluvoxamina (FLV), um inibidor da recaptação de serotonina, já comercialmente disponível. Além de aumentar a biodisponibilidade de 5-HT central e periféricamente, a fluvoxamina pode também exercer ações anti-inflamatórias independente de serotonina, por meio da ligação ao receptor sigma-1 (S1R), presente no retículo endoplasmático de diversas células imunes, regulando a produção de citocinas. Porém, não há relatos sobre a ação da FLV na neuroinflamação causada pela sepse e nem sobre seus possíveis benefícios nas alterações cognitivas em sobreviventes. Assim, nosso primeiro objetivo é avaliar o papel do tratamento com FLV sobre os parâmetros neuroimunes em animais submetidos à Sepse por ligadura e punção do ceco (CLP), um modelo clinicamente relevante da doença. Também elucidaremos as consequências funcionais desse tratamento, avaliando o papel da FLV sobre os déficits de memória e comportamento nos animais sobreviventes à Sepse. Afim de investigar as possíveis vias de ação desse medicamento, avaliaremos separadamente qual a participação das serotoninas central e periférica na regulação da resposta imune com o uso de fluvoxamina. E finalmente, dado o mecanismo de ação dual desse tratamento, investigaremos a relação entre a ação do receptor sigma-1 em células gliais (astrócitos e microglia) e os efeitos da FLV na produção mediadores inflamatórios centrais por essas células. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
COSTA, LUIS H. A.; SANTOS, BRUNA M.; BRANCO, LUIZ G. S. Can selective serotonin reuptake inhibitors have a neuroprotective effect during COVID-19?. European Journal of Pharmacology, v. 889, DEC 15 2020. Citações Web of Science: 3.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.