Busca avançada
Ano de início
Entree

Exigência do gene mgtC para a capacidade de sobreviência intramacrófagos de Salmonella gallinarum

Processo: 19/25091-5
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2020
Vigência (Término): 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Angelo Berchieri Junior
Beneficiário:Lucas Bocchini Rodrigues Alves
Supervisor no Exterior: John Elmerdahl Olsen
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Local de pesquisa: University of Copenhagen, Frederiksberg, Dinamarca  
Vinculado à bolsa:18/12614-7 - Efeito da deleção do gene mgtC sobre a patogenicidade de Salmonella gallinarum em aves susceptíveis, BP.DR
Assunto(s):Multiplicação   Sobrevivência   Macrófagos   Salmonella Gallinarum   Tifo aviário   Doenças das aves

Resumo

Salmonella gallinarum (SG) provoca o tifo aviário, enfermidade infecciosa sistêmica severa que afeta aves de qualquer idade e tem sido considerado um dos maiores desafios sanitários em avicultura. Durante a infecção sistêmica tifóide em camundongos causada por S. typhimurium, a bactéria transcreve o gene mgtC. Sua função está aparentemente associada com a multiplicação bacteriana nos macrófagos e a inativação desse gene atenua o patógeno. Assim, hipotetizamos que uma estirpe de SG sem o gene mgtC poderia ter sua patogenicidade alterada em comparação com a estirpe selvagem. Dessa forma, uma estirpe de SG contendo mgtC inativado (SG mgtC) foi construída e experimentos in vivo foram conduzidos com aves poedeiras susceptíveis ao tifo aviário. Ambas as estirpes mutante e selvagem (SG) foram inoculadas de forma a obter as contagens bacterianas em amostras de fígado e baço. Ademais, a patogenicidade e a dose letal mediana (DL50) da estirpe mutante foram avaliadas, respectivamente. Nossos resultados preliminares mostram que as contagens em fígado e baço não foram estatisticamente significativas entre ambas as estirpes e SG mgtC provocou lesões anatomopatológicas menos evidentes em comparação com SG. Além disso, a estirpe mutante exigiu mais tempo (P < 0.05) para causar a mesma taxa de mortalidade que SG e sua DL50 foi 22 vezes maior. Assim, propomos no presente projeto avaliar a importância do gene mgtC para a capacidade de sobrevivência de SG e a resposta imune intramacrófagos para esclarecer os resultados dos experimentos in vivo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)