Busca avançada
Ano de início
Entree

A tribo Malvavisceae (Malvoideae, Malvaceae) na Serra do Cipó, Minas Gerais

Processo: 18/25188-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Taxonomia Vegetal
Pesquisador responsável:Marília Cristina Duarte
Beneficiário:Flávia de Oliveira Bezerra
Instituição-sede: Pró-Reitoria Acadêmica. Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Campus da Sede Mogi das Cruzes. Mogi das Cruzes , SP, Brasil
Assunto(s):Coleção e conservação de espécies biológicas   Coleção e conservação de plantas   Fenologia   Malvaceae   Minas Gerais

Resumo

Malvavisceae é uma das 5 tribos pertencentes à subfamília Malvoideae e apresenta 8 gêneros: Anotea, Malachra, Malvaviscus, Phragmocarpidium, Rojasimalva, Urena, Pavonia e Peltaea, sendo os dois últimos, encontrados na Serra do Cipó. A Serra do Cipó se localiza em Minas Gerais na região sul da Cadeia do Espinhaço, e apresenta a vegetação formada por um conjunto de comunidades muito diversas, predominando os campos rupestres. O último estudo com enfoque em Malvaceae realizado na área foi desenvolvido no final da década de 80, e atualmente houve um aumento do número de táxons que não foram tratados naquela época. Dessa forma, o objetivo desta pesquisa é o levantamento atual das espécies da tribo Malvavisceae na unidade de conservação citada por meio de materiais oriundos de coletas na região e exsicatas depositadas nos herbários que abrigam coleções provenientes da área de estudo. As análises dos materiais serão realizadas no Laboratório de Sistemática Vegetal da Universidade de Mogi das Cruzes, São Paulo, com base em caracteres morfológicos das espécies. Para a construção das chaves de identificação, será utilizado modelo dicotômico e literatura especializada. Ao final, será produzida a monografia da tribo incluindo chave de identificação para gêneros e espécies com suas descrições, materiais examinados, comentários taxonômicos e fenologia, além da classificação dos táxons com seus respectivos graus de ameaça de acordo com a IUCN (2017). Espera-se que essa pesquisa possa servir como base para projetos e trabalhos futuros com a taxonomia de Malvaceae.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)