Busca avançada
Ano de início
Entree

Relevância fisiológica das catecolaminas produzidas pelo endotélio

Processo: 18/24971-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Clínica
Pesquisador responsável:Gilberto de Nucci
Beneficiário:Felipe Fernandes Jacintho
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Fisiologia   Catecolaminas   Endotélio   Mamíferos   Imuno-histoquímica   Contração muscular

Resumo

O endotélio é um órgão capaz de regular tônus vascular através da liberação de agentes relaxantes (óxido nítrico e prostaciclina - PGI2) ou contráteis (endotelina - ET1 e prostanóide - PGH2). Apesar do conceito fisiológico de que catecolaminas oriundas de origem neural regulam o tônus vascular, ensaios farmacológicos recentemente publicados pelo grupo em tecidos isolados de répteis demonstram que o endotélio também é fonte de catecolaminas. Análises morfológicas localizaram a enzima tirosina hidroxilase (essencial na síntese de catecolamina) no endotélio vascular de aortas e corpo cavernoso de serpentes. A mesma enzima também foi encontrada em tecido humano (que tenha paraganglioma) confirmando novamente o endotélio como fonte de catecolamina. O objetivo deste trabalho é investigar o papel fisiológico das catecolaminas produzidas pelo endotélio nos mamíferos: camundongo, rato, coelho, cachorro e macaco. Serão utilizadas artérias aorta, mesentérica, ilíaca e pulmonar do grupo de animais citados para contração induzida por estímulo de campo elétrico (EFS) em presença e ausência de fentolamina, guanetidina, tetrodotoxina (TTX) e A-803467 (inibidor de canais de sódio resistentes à TTX). Contração EFS também será realizada em anéis vasculares sem endotélio em animais saudáveis e em ratos hipertensos. Análises imuno-histoquímicas irão investigar a localização de tirosina hidroxilase (TH), dopa descarboxilase (DDC), dopa-beta-hidroxilase (DbH) e feniletanolamina-n-metiltransferase (PNMT) no endotélio desses vasos, além de norepinefrina (NE) e epinefrina (EPI). Grupos de ratos SHR serão desnervados, vasos, sangue e urina serão coletados para quantificação de NE E EPI. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BRITTO-JUNIOR, JOSE; JACINTHO, FELIPE FERNANDES; CAMPOS, RAFAEL; ARAUJO PINHEIRO, DAVID HALEN; FIGUEIREDO MURARI, GUILHERME M.; DE SOUZA, VALERIA B.; SCHENKA, ANDRE A.; MONICA, FABIOLA Z.; MORENO, RONILSON AGNALDO; ANTUNES, EDSON; DE NUCCI, GILBERTO. The basal release of endothelium-derived catecholamines regulates the contractions of Chelonoidis carbonaria aorta caused by electrical-field stimulation. BIOLOGY OPEN, v. 10, n. 1 JAN 2021. Citações Web of Science: 1.
CAMPOS, RAFAEL; JACINTHO, FELIPE FERNANDES; BRITTO-JUNIOR, JOSE; MONICA, FABIOLA Z.; OLIVEIRA JUSTO, ALBERTO FERNANDO; PUPO, ANDRE SAMPAIO; MORENO, RONILSON AGNALDO; DE SOUZA, VALERIA BARBOSA; SCHENKA, ANDRE ALMEIDA; ANTUNES, EDSON; DE NUCCI, GILBERTO. Endothelium modulates electrical field stimulation-induced contractions of Chelonoidis carbonaria aortic rings. COMPARATIVE BIOCHEMISTRY AND PHYSIOLOGY C-TOXICOLOGY & PHARMACOLOGY, v. 233, JUL 2020. Citações Web of Science: 0.
BRITTO-JUNIOR, JOSE; JACINTHO, FELIPE FERNANDES; FIGUEIREDO MURARI, GUILHERME M.; CAMPOS, RAFAEL; MORENO, RONILSON AGNALDO; ANTUNES, EDSON; MONICA, FABIOLA Z.; DE NUCCI, GILBERTO. Electrical field stimulation induces endothelium-dependent contraction of human umbilical cord vessels. Life Sciences, v. 243, FEB 15 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.