Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise microscópica da gênese e progressão de lesões periapicais após o uso sistêmico e local de probiótico em ratos

Processo: 18/22038-3
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Odontopediatria
Pesquisador responsável:Léa Assed Bezerra da Silva
Beneficiário:Lisa Danielly Curcino Araujo
Instituição Sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Lesões periapicais   Probióticos   Patologia bucal   Irrigantes do canal radicular   Imunidade
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Lesão Periapical | probioticos | Odontopediatria

Resumo

Os probióticos são micro-organismos vivos que quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro. Muito estudado na área médica, as pesquisas em relação ao uso de probióticos para tratamento de doenças na cavidade bucal são prósperas, na qual algumas especialidades odontológicas já o utilizam em experimentos in vivo, evidenciando inibição de perda óssea inflamatória e alteração na modulação imune sistêmica. Entretanto, poucos estudos relatam o efeito do uso de probióticos nas infecções pulpares e nenhum utilizou o mesmo como solução irrigadora. Desse modo, a proposta desse estudo será avaliar o efeito dos probióticos quando consumidos na água e utilizados como solução irrigadora de canais radiculares de dentes de ratos com lesão periapical induzida. Os animais serão divididos em dez grupos, conforme segue: Grupo I (4 animais/8 dentes): Água sem probiótico, sem lesão periapical (3 dias); Grupo II (4 animais/8 dentes): Água com probiótico; sem lesão periapical (3 dias); Grupo III (12 animais/24 dentes): Água sem probiótico; com lesão periapical (7, 21, 42 dias); Grupo IV (24 animais/48 dentes): Água com probiótico; com lesão periapical (7, 21, 42 dias); Grupo V (4 animais/8 dentes): Água sem probiótico, hipoclorito de sódio à 2,5% como solução irrigadora, sem lesão periapical (3 dias); Grupo VI (4 animais/8 dentes): Água sem probiótico, probiótico como solução irrigadora, sem lesão periapical (3 dias); Grupo VII (24 animais/48 dentes): Água sem probiótico; hipoclorito de sódio à 2,5% como solução irrigadora, com lesão periapical (7, 21, 42 dias); Grupo VIII (24 animais/48 dentes): Água sem probiótico, probiótico como solução irrigadora, com lesão periapical ( 7, 21, 42 dias); Grupo IX (24 animais/48 dentes): Água com probiótico; probiótico como solução irrigadora; sem lesão periapical; Grupo X (24 animais/48 dentes): Água com probiótico; probiótico como solução irrigadora, com lesão periapical (7, 21, 42 dias). Nos grupos nos quais os animais receberão o probiótico administrado via oral (água consumida pelos animais), o probiótico Bifidobacterium animalis subsp. lactis (B. lacti) HN09 será adicionado a água potável com volume de 10 mililitros, na proporção de 1,5 x 108 unidades formadoras de colônias (CFU) por mililitros. Nos grupos VI, VIII, IX e X, o probiótico será administrado como solução irrigadora, formulada pela adição do probiótico em meio aquoso contendo, 1.9 x 109 CFU do mesmo probiótico utilizado via oral com um volume final de 1mL. Os canais radiculares serão irrigados no dia 0 e dias 3, 7, 14, 21 e 28 dias de experimento. As amostras coradas em HE em microscópica óptica, serão analisadas por meio da descrição das características do tecido pulpar e das regiões apical e periapical, paralelamente à análise morfométrica da extensão da área das lesões periapicais, em microscopia fluorescente. Será avaliada ainda a marcação de osteoclastos e a histoenzimologia para atividade da fosfatase ácida resistente ao tartarato (TRAP) e imunoistoquimica para identificação de marcadores de osteoclastogênese e macrófagos subtipos M1 e M2 (RANK, RANKL, OPG, M1-CD68, NOS2, M2-CD163, Arg-1), além da análise microbiológica por meio da técnica de Brown & Brenn. Todas as análises e representações gráficas serão realizadas com o auxílio do software GraphPad Prism 7 (GraphPad Software Inc, San Diego CA, USA). Os testes estatísticos aplicados serão selecionados de acordo com a natureza dos dados. Para todas as análises será adotado o nível de significância de 5%. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LISA DANIELLY CURCINO ARAUJO; RAQUEL ASSED BEZERRA SEGATO; THAÍS DE PAULA COLEN REIS; SÉRGIO LUIS DE SOUZA SALVADOR; FLÁVIA APARECIDA CHAVES FURLANETO; MICHEL REIS MESSORA; PAULO NELSON-FILHO; LANA KEI YAMAMOTO DE ALMEIDA; MARÍLIA PACÍFICO LUCISANO; CLARA MARINA PEREIRA CAVALCANTI SILVA; et al. Effect of systemic administration of Bifidobacterium animalis subsp. lactis HN019 on apical periodontitis. Brazilian Oral Research, v. 37, . (18/22038-3)
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ARAUJO, Lisa Danielly Curcino. Probiótico: avaliação da atividade antimicrobiana in vitro e do efeito in vivo na progressão de lesões periapicais, por meio de análise microscópica. 2020. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (PCARP/BC) Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas utilizando este formulário.