Busca avançada
Ano de início
Entree

Mestiçagem e afrodescendência no contexto Atlântico: literatura abolicionista do século XIX

Processo: 18/13697-3
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras
Pesquisador responsável:Jefferson Cano
Beneficiário:Ligia Cristina Machado
Instituição Sede: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/05283-7 - Raça, imprensa e literatura no mundo transatlântico do século XIX, BE.EP.DR
Assunto(s):Literatura francesa   Literatura brasileira   Abolicionismo   França (país)   Estados Unidos   Brasil   História do Século XVIII   Século XIX
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Literatura abolicionista | literatura americana | Literatura Brasileira | Literatura francesa | Literatura Oitocentista | Questões Raciais | História e historiografia literária

Resumo

Esta pesquisa analisará um conjunto de obras literárias escritas na França, nos Estados Unidos e no Brasil no contexto transatlântico de desenvolvimento das defesas abolicionistas durante o Oitocentos. No fim do século XVIII, a Revolução Francesa (1789) e a propagação dos ideais de liberdade e de igualdade acabaram fortalecendo princípios ideológicos que levaram à Revolução do Haiti (1791). Nos Estados Unidos e no Brasil desenvolveu-se um sentimento de medo e temor por conta da natureza escrava dessa revolução e da forte presença desse regime em suas sociedades. O medo de que os escravos americanos pudessem se inspirar no Haiti motivou a longa demora para o reconhecimento deste Estado como país independente pelos americanos. Apesar do Haiti ter sido reconhecido pela França em 1825 ele só conquistou o reconhecimento americano em 1862, não coincidentemente quando a Guerra Civil Americana já havia começado. No Brasil, sentimento igual preocupava a Câmara dos deputados durante as discussões sobre a proibição do tráfico de africanos, nos anos de 1840 e 1850. Em pesquisa recentíssima Marco Morel investiga como as notícias sobre a revolução haitiana chegaram ao Brasil na primeira metade do oitocentos. O autor mostra também as conexões transnacionais e o fluxo de ideias que ocorriam através de textos que atravessavam o atlântico. Neste contexto o que se procura é entender a produção literária abolicionista que ganhou impulso no século XIX, mesmo momento em que começaram a se desenvolver as teorias raciais que procurariam determinar o espaço e a interação dos negros, principalmente os da diáspora, com os brancos colonizadores. É praticamente impossível desvincularmos essas questões do momento pós-revoluções vivido pelos dois lados do Atlântico. Tendo-se em vista a passagem do tempo como trabalhada por Braudel, essa pesquisa pegará os dois marcos da abolição: a revolução do Haiti (1791) e a abolição brasileira (1888), acontecimento que leva ao fim da escravidão gerada pelo tráfico transatlântico de pessoas. No meio desse período, a abolição americana e a publicação do best-seller A cabana do pai Tomás (1852), de Harriet Stowe, tiveram um impacto substancial na produção literária abolicionista brasileira. Este foi o primeiro romance americano com um impacto tão grande fora de seu país natal. Um milhão de cópias vendidas apenas no primeiro ano de publicação na Inglaterra e quatro traduções concomitantes em jornais franceses; apenas a bíblia havia vendido tantos livros. Em 1853 o romance de Stowe chegou ao Brasil, época em que a literatura brasileira ainda buscava seu formato de afirmação nacional. Essas conexões transnacionais aparecem em vários momentos da literatura brasileira. Gonçalves Dias faz referência direta ao livro Bug-Jargal (1826) de Victor Hugo em uma de suas poesias. Diversas peças de teatro e narrativas publicadas em jornais são uma clara releitura do romance A cabana do pai Tomás. José de Alencar se apropriou desse romance nos anos 1850 ao escrever O demônio familiar e Mãe, assim como Bernardo de Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo, de diferentes formas, estavam pensando neste livro ao escreverem A escrava Isaura (1875) e Vítimas Algozes (1869), respectivamente. Em 1892, Júlia Lopes de Almeida é elogiada por A família Medeiros como uma obra que merecia ser chamada de A cabana do pai Tomás brasileira. Esses são apenas alguns exemplos de como o romance norte-americano publicado em 1852 teve ressonâncias durante todo o resto do século no Brasil. Assim, com uma seleção que pretende levar em conta a circulação de obras e a participação de minorias na produção literária abordaremos todo o século XIX tendo em mente propostas teóricas atuais que veem os acontecimentos históricos no contexto Atlântico e não apenas nacionais. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MACHADO, Ligia Cristina. Rebeldes, cristãos e revolucionários: o papel da revolução do Haiti na representação negra do século XIX. 2022. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Estudos da Linguagem Campinas, SP.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas utilizando este formulário.