Busca avançada
Ano de início
Entree

Uso do sistema intrauterino liberador de levonorgestrel em mulheres usuárias de anticoagulantes orais

Processo: 18/18323-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 30 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Luis Guillermo Bahamondes
Beneficiário:Eliza Pinheiro Brull
Instituição-sede: Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/20504-9 - Manifestações clínicas de usuárias de contraceptivos de somente progestogênios, AP.TEM
Assunto(s):Ginecologia   Ciclo menstrual   Hemorragia uterina   Amenorreia   Anticoagulantes   Levonorgestrel   Dispositivos intrauterinos   Registros de saúde pessoal   Dados demográficos   Estudos retrospectivos

Resumo

Mulheres em uso de anticoagulantes orais frequentemente apresentam sangramento uterino anormal (SUA). Para as mulheres que necessitam de anticoagulação em longo prazo, o sistema intrauterino liberador de levonorgestrel (SIU-LNG) é uma alternativa para controle do sangramento e também para contracepção. Porém, não está claro se o padrão menstrual das mulheres usuárias de anticoagulantes orais e SIU-LNG é semelhante ao das não usuárias de anticoagulantes. Objetivo: Avaliar o padrão menstrual e a satisfação em mulheres em uso de anticoagulantes orais. Além disso, avaliar complicações durante a inserção do SIU-LNG, taxa e razão de descontinuação. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo no qual serão avaliadas todas as mulheres do ambulatório de Planejamento Familiar do Departamento de Tocoginecologia da Universidade de Campinas de 2007 a 2017 (aproximadamente 11000 mulheres) para identificar mulheres em uso de anticoagulantes e que receberam SIU-LNG (Mirena, Bayer Oy, Turku , Finlândia). Nossa rotina clínica para essas pacientes é realizar um acompanhamento inicial de 40 a 60 dias após a colocação e, em seguida, a cada 12 meses. O desfecho primário será avaliar o padrão menstrual, que será definido, segundo os critérios estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde, em um período de 90 dias, em amenorréia (ausência de sangramento vaginal), sangramento prolongado (sangramento ou spotting por mais de 14 dias), sangramento frequente (sangramento vaginal ou spotting por mais de 5 dias), sangramento infrequente ( 1 ou dois dias de sangramento ou spotting), sangramento irregular (3 a 5 dias de sangramento ou spotting seguido de menos de 3 intervalos de ausência de sangramento por 14 dias), sangramento regular. O desfecho secundário é satisfação referida pela mulher como satisfeita ou insatisfeita. A presença de complicações na inserção será categorizada em expulsão do SIU, sangramento aumentado durante a inserção, perfuração, danos ao sistema reprodutivo ou gastrointestinal. Para a coleta de dados, após identificação das mulheres e coleta dos dados demográficos e relativos à inserção do SIU, serão coletados o padrão menstrual em cada consulta, tempo até alteração do padrão menstrual, de eventos adversos e razão de descontinuidade e será realizado contato telefônico, no qual serão checados o padrão menstrual atual e dados relativos à aceitação do método. Os dados serão anotados em uma ficha desenhada para o estudo e posteriormente serão digitados em uma planilha do Microsoft Excel. Para análise estatística serão realizadas média com desvio padrão e porcentagens.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)