Busca avançada
Ano de início
Entree

MECANISMOS DA TOXICIDADE RENAL INDUZIDA PELO CONSUMO CRÔNICO DE ETANOL: PAPEL DA ENZIMA ÓXIDO NÍTRICO SINTASE INDUZÍVEL (iNOS)

Processo: 16/17623-9
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Pesquisador responsável:Carlos Renato Tirapelli
Beneficiário:Carla Brigagão Pacheco da Silva
Instituição Sede: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Etanol   Óxido nítrico sintase tipo II   Peroxinitrito
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Disfunção Renal | Etanol | iNOS | peroxinitrito | Farmacologia cardiorenal

Resumo

Ainda que tenha o consumo liberado e estimulado pela sociedade, o álcool etílico (etanol), quando ingerido cronicamente, induz várias alterações fisiológicas em diferentes tecidos, dentre eles o renal. Por mecanismos ainda pouco esclarecidos, o consumo crônico de etanol, no rim, está associado ao aumento da produção de óxido nítrico (NO), um radical livre que participa de várias funções fisiológicas, mas que também, quando em altas concentrações, contribui para a fisiopatologia de doenças renais como, por exemplo, insuficiência renal aguda, glomerulonefrite e nefropatia diabética. O etanol aumenta a expressão da isoforma induzível da enzima NO sintase (iNOS) em diferentes tecidos. No rim, a iNOS é a principal enzima produtora do NO em quadros de doença renal. Além da indução da iNOS, o consumo de etanol aumenta a geração de espécies reativas de oxigênio (ERO). Esse processo é mediado principalmente pela enzima NAD(P)H oxidase que forma o ânion superóxido (O2Ù-). A reação do NO com o O2Ù- leva à formação do peroxinitrito (ONOO-), um poderoso agente oxidante que participa do processo de nefropatia. O ONOO- causa mudança estrutural e funcional no glomérulo e gera múltiplas anomalias do túbulo renal levando a disfunção tubular generalizada e distúrbios renais por afetar a regulação do conteúdo de eletrólitos e do volume extracelular e o equilíbrio ácido-base. Outras alterações desencadeadas pela ingestão de bebidas alcoólicas são a hipomagnesemia, necrose tubular aguda e disfunção mitocondrial. Mesmo que se tenha conhecimento de que o consumo de etanol é um fator de risco para o desenvolvimento da disfunção renal, ainda é incerto quais mecanismos estão envolvidos nessa resposta e qual o papel real da enzima iNOS. A hipótese do presente estudo é a de que o consumo crônico de etanol induza a expressão da iNOS e aumente a produção de ERO no rim via NAD(P)H oxidase. Esse processo levaria ao aumento da formação de ONOO- com consequente disfunção renal. Assim, o objetivo do presente estudo é avaliar a participação da iNOS na toxicidade renal induzida pelo consumo crônico de etanol.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DA SILVA, CARLA B. P.; CERON, CARLA S.; MENDES, ATLANTE S.; DE MARTINIS, BRUNO S.; CASTRO, MICHELE M.; TIRAPELLI, CARLOS R.. Inducible nitric oxide synthase (iNOS) mediates ethanol-induced redox imbalance and upregulation of inflammato cytokines in the kidney. Canadian Journal of Physiology and Pharmacology, v. 99, n. 10, p. 1016-1025, . (16/17623-9)
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SILVA, Carla Brigagão Pacheco da. Mecanismos da toxicidade renal induzida pelo consumo crônico de etanol: papel da enzima óxido nítrico sintase induzível (iNOS). 2020. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (PCARP/BC) Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.