Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização da microbiota intestinal isolada das fezes de pacientes com esclerose múltipla e correlação com citocinas do padrão Th17

Processo: 16/05062-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2016
Vigência (Término): 31 de maio de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Pesquisador responsável:Gislane Lelis Vilela de Oliveira
Beneficiário:Felipe Papa Pellizoni
Instituição-sede: Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr Paulo Prata (FACISB). Barretos , SP, Brasil
Assunto(s):Doenças autoimunes   Esclerose múltipla   Microbioma gastrointestinal   Citocinas   Células Th17   Fezes   Fatores epidemiológicos   Reação em cadeia por polimerase (PCR)   Consentimento esclarecido   Inquéritos e questionários

Resumo

Nos seres humanos, mais de cem trilhões de microrganismos, principalmente bactérias, colonizam o trato oral-gastrointestinal, e a grande maioria destes residem na porção distal do intestino e compreendem a chamada microbiota. As contribuições mais importantes da microbiota ao hospedeiro incluem a digestão e fermentação de carboidratos, produção de vitaminas, desenvolvimento de tecidos linfoides associados à mucosa, polarização de respostas imunes específicas e a prevenção da colonização por patógenos. No entanto, quando essa relação de mutualismo entre hospedeiro e comensal é interrompida, a microbiota intestinal pode causar ou contribuir para o desenvolvimento de doenças infecciosas, inflamatórias e autoimunes. Portanto, o objetivo deste trabalho será caracterizar a microbiota intestinal isolada das fezes de pacientes esclerose múltipla e correlacionar estes dados à citocinas do padrão Th17. Serão incluídos pacientes e indivíduos controles atendidos nos postos associados à Secretaria de Saúde de Barretos e ambos os grupos assinarão o termo de consentimento livre e esclarecido e responderão ao questionário sócio-epidemiológico. As amostras de fezes serão colhidas pelos próprios indivíduos ou familiares em frascos coletores universais, após identificação e esclarecimentos a respeito da coleta. Dados clínicos tais como forma da doença, EDSS, presença ou ausência de lesões ativas e tratamento serão registrados. O DNA bacteriano será extraído utilizando kit comercial e a caracterização da microbiota será realizada por PCR em tempo real utilizando primers para grupos bacterianos específicos. A dosagem de citocinas do padrão Th17, como IL-17 e IL-22, será realizada por ensaios de ELISA. Os resultados da microbiota intestinal de pacientes e controles serão analisados utilizando teste t de Mann-Whitney e as correlações dos resultados da microbiota com os dados clínicos e sócio-epidemiológicos serão avaliadas pelo teste de Spearman. Esperamos encontrar diferenças na composição da microbiota intestinal de pacientes com EM em relação aos indivíduos sadios e, possíveis correlações com os dados clínicos. Estudos adicionais são necessários, e possivelmente a prevenção da EM no futuro, envolva intervenções direcionadas para a modulação da microbiota intestinal, como forma de controle da autoimunidade em indivíduos geneticamente predispostos.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
PELLIZONI, FELIPE PAPA; LEITE, ALINE ZAZERI; RODRIGUES, NATHALIA DE CAMPOS; UBAIZ, MARCELO JORDAO; GONZAGA, MARINA IGNACIO; TAKAOKA, NAUYTA NAOMI CAMPOS; MARIANO, VANIA SAMMARTINO; OMORI, WELLINGTON PINE; PINHEIRO, DANIEL GUARIZ; MATHEUCCI JUNIOR, EUCLIDES; GOMES, ELENI; OLIVEIRA, DE GISLANE LELIS VILELA. Detection of Dysbiosis and Increased Intestinal Permeability in Brazilian Patients with Relapsing-Remitting Multiple Sclerosis. INTERNATIONAL JOURNAL OF ENVIRONMENTAL RESEARCH AND PUBLIC HEALTH, v. 18, n. 9 MAY 2021. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.