Busca avançada
Ano de início
Entree

Lesão renal aguda em pacientes idosos admitidos em unidade de terapia intensiva: incidência, fatores de risco e mortalidade

Processo: 14/14532-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Daniela Ponce
Beneficiário:Laís Gabriela Yokota
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Nefrologia   Lesão renal aguda   Mortalidade   Idosos   Fatores de risco   Unidades de terapia intensiva   Modelos de regressão   Estudos prospectivos   Estudos de coortes

Resumo

A Lesão Renal Aguda (LRA) é caracterizada por uma disfunção renal súbita com consequente aumento dos produtos nitrogenados decorrentes da diminuição da taxa de filtração glomerular (TFG), afetando principalmente as funções de filtração, excreção, equilíbrio hidroeletrolítico e ácido-base. A LRA é uma síndrome de caráter emergencial cuja incidência e prevalência se mostram mais elevadas em populações de ambiente hospitalar (4,9 a 7,2%), sendo especialmente altas em pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTIs) de modo a atingir até 40% destes. Apesar de todos os avanços terapêuticos ocorridos nas últimas décadas, a mortalidade geral dos pacientes com LRA permanece em torno de 50%, podendo chegar a 80% nos pacientes críticos.Vários fatores podem predispor um paciente a evoluir com quadro de LRA, dentre os quais se pode citar: idade, sexo, politrauma, cirurgias, estadia prolongada em hospital e comorbidades como hipertensão arterial (HA), diabetes mellitus (DM), cardiopatias, doença renal crônica (DRC) e hepatopatias. A idade dos pacientes, principalmente, se destaca, segundo a maioria dos estudos, como importante fator de risco associado à LRA pois o idoso possui predisposição natural para o desenvolvimento dessa síndrome visto que apresenta alta prevalência de comorbidades como HA, DM, cardiopatias e são, com frequência, admitidos em UTI. A maioria dos estudos realizados com idosos em UTI portadores de LRA indicam taxas de mortalidade superior a 60%.Tendo em vista a relevância do papel social do idoso e a escassez de estudos sobre a LRA em idosos admitidos em UTI, mais estudos são necessários. Os objetivos deste trabalho são avaliar a incidência da LRA nessa população, além de identificar as principais etiologias e fatores de risco associados à LRA no idoso e comparar a evolução de pacientes idosos que desenvolveram LRA com os que não desenvolveram LRA. Será realizado um estudo prospectivo observacional do tipo coorte de pacientes admitidos em três UTIs do HC-FMB (UNESP) durante o período de 01 de Setembro de 2014 a 01 de Setembro de 2015 de modo diário e ininterrupto até seu desfecho: alta ou óbito. Estima-se uma população de 500 pacientes ao final do estudo, sendo incluído qualquer paciente com 60 anos ou mais admitido em UTI. Serão excluídos do presente projeto os pacientes que não se enquadram na definição de idoso bem como pacientes com DRC avançada (Cl Cr < 30 ml/min) e transplantados renais. Para cada paciente será preenchido um protocolo com informações clínicas e laboratoriais e estes dados serão obtidos sempre pelo mesmo observador desde a admissão do paciente na UTI até o desfecho (alta ou óbito). A avaliação de função renal será realizada diariamente por meio da dosagem da creatinina sérica e verificação de débito urinário e o diagnóstico de LRA será realizado pelos critérios de AKIN. Os resultados serão apresentados utilizando estatística descritiva da população estudada e diferentes testes estatísticos de acordo com os objetivos do estudo. Será então estabelecido como variável dependente a ocorrência de LRA, sendo utilizado o Teste do Qui-Quadrado para a significância estatística entre esta variável e as variáveis categóricas e o Teste t para esta variável e as variáveis contínuas. Após, será realizada análise multivariada, através da construção de modelo de regressão logística, com cálculos dos Odds Ratio (OR), sendo incluídas no modelo todas as variáveis independentes que mostraram associação com o desfecho, com pd0,20. Procedimento semelhante será realizado a partir do estabelecimento, como variável dependente, a ocorrência de óbito. Todos os resultados dos testes de hipótese serão discutidos no nível de 5% de significância (p<0.05).

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)