Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão gênica diferencial entre éguas resistentes e susceptíveis à endomentrite persistente pós-cobertura

Processo: 14/11117-9
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:João Pessoa Araújo Junior
Beneficiário:Eduardo Gorzoni Fioratti
Instituição Sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Éguas   Endometrite   Expressão gênica diferencial   Análise de sequência de RNA
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:eguas | endometrite persistente pós cobertura | qPCR | RNAseq | Fisiopatologia da reprodução

Resumo

Após o contato do sêmen com o útero uma resposta inflamatória fisiológica é induzida por seus componentes, sendo esta responsável pela limpeza do conteúdo uterino. Porém algumas éguas apresentam essa inflamação de forma persistente resultando em queda na fertilidade. Os objetivos desse estudo serão: (i)verificar diferenças na expressão gênica das éguas resistentes e susceptíveis a endometrite persistente pós cobertura durante a mudança hormonal ocorrida entre o estro e o diestro e (ii) caracterizar através da expressão gênica e das vias metabólicas o processo inflamatório uterino após a inseminação artificial. Para isso foram selecionadas 10 éguas resistentes e 10 susceptíveis à endometrite persistente pós-cobertura de acordo com histórico de queda na fertilidade, citologia uterina, alterações anatômicas e acúmulo de líquido intrauterino após a cobertura. Dois ciclos estrais consecutivos foram acompanhados e aleatoriamente selecionados como controle (sem IA) ou tratado (IA com 1x109 de espermatozóides totais). As IAs foram realizadas 24hs após a indução da ovulação, a qual ocorreu entre 24 e 48hs após a indução. Citologias uterinas exfoliativas foram realizadas 24 (M1), 48 (M2) e 72hs (M3) após a indução da ovulação e as células endometriais obtidas foram armazenadas em RNAlater® a -20°C. O RNA total será extraído das amostras, tratado com DNAse e obtido o cDNA para a construção da biblioteca que será utilizado para o estudo da transcriptômica (RNAseq). Os genes diferencialmente expressos e que desempenham papel importante na inflamação uterina após cobertura serão confirmados e quantificados por qPCR. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)