Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência da partícula e do momento do jateamento na resistência flexural e transformação de fase de uma zircônia estabilizada por ítria

Processo: 14/05429-8
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Renata Garcia Fonseca
Beneficiário:Cláudia Carolina Jordão
Instituição Sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Zircônia tetragonal policristalina estabilizada com ítrio (Y-TZP)   Mudança de fase   Jateamento abrasivo   Resistência à flexão
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Jateamento | Resistência Flexural | Transformação de Fase | zirconia | Materiais Restauradores

Resumo

Para a obtenção de maior longevidade das restaurações indiretas, é importante que se tenha uma união na interface cimento/restauração forte e estável. Para se alcançar tal objetivo, uma vez que a superfície da zircônia é muito pouco reativa, tratamentos de superfície devem ser realizados para criar retenção micromecânica e torná-la quimicamente mais reativa. Apesar de haver alguns métodos para se conseguir a retenção micromecânica, o jateamento é um dos métodos mais empregados pela sua simplicidade e funcionalidade. Entretanto, é comentado na literatura que tal procedimento pode criar microfissuras na superfície da zircônia, as quais, juntamente com a ação da umidade e fadiga mecânica, podem se propagar pelo corpo do material, promovendo uma redução de sua resistência e até mesmo uma fratura catastrófica. Entretanto, existe uma ampla gama de configurações para a realização do jateamento, as quais variam em função do tamanho e da composição da partícula empregada, da pressão e do tempo de realização do procedimento e até mesmo do momento no qual ele é realizado. Todos estes fatores poderão influenciar seu grau de severidade e, consequentemente, seu impacto na resistência da zircônia. Tal problema justifica a necessidade de avaliar a influência da partícula empregada no jateamento e do momento de sua realização na resistência flexural e na transformação de fase de uma zircônia estabilizada por ítria (Y-TZP). Para os testes de resistência flexural (20,0 × 4,0 × 1,2 mm) (n=15) e transformação de fase (n=1), os espécimes da zircônia estabilizada por ítria Lava serão obtidos e então: 1) não receberão tratamento (grupo controle) ou serão jateados com 2) partículas de Al2O3 de 50 µm; 3) partículas de Al2O3 de 120 µm; 4) partículas de Al2O3 modificadas por sílica de 30 µm (Rocatec Soft - 3M ESPE); 5) partículas de Al2O3 modificadas por sílica de 110 µm (Rocatec Plus - 3M ESPE) e 6) partículas de Al2O3 de 120 µm + Rocatec Plus em um dos três momentos: 1) pós-sinterização da zircônia (grupo controle); 2) pré-sinterização; e 3) pré- e pós-sinterização. Os espécimes serão termociclados (10.000 ciclos - 5 e 55°C e tempo de imersão de 30 s). A transformação de fase (%) será avaliada por difratometria de raios X. O ensaio de resistência flexural será realizado em máquina de ensaios mecânicos (EMIC DL2000) e os dados (MPa) serão analisados estatisticamente conforme os resultados dos testes de normalidade e homogeneidade (±=0,05), considerando os fatores de variação partícula e momento do jateamento. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)