Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise molecular do gene LHX3 em pacientes portadores de deficiência isolada ou combinada de GH

Processo: 13/00073-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2013
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Luciani Renata Silveira de Carvalho
Beneficiário:Anna Flávia Figueredo Benedetti
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Endocrinologia   Hipopituitarismo   Expressão gênica   Embriogênese   Análise molecular   Técnicas de diagnóstico molecular

Resumo

Nos humanos, a glândula pituitária é composta por duas partes, a anterior e a posterior. A neurohipófise tem origem embrionária na ectoderme neural e secreta os hormônios oxitocina e ADH. A adenohipófise se deriva da bolsa de Rathke, um outgrowth da ectoderme oral. Contem cinco tipos de células secretoras que secretam os hormônios GH, PRL, TSH, LH, FSH e ACTH.O desenvolvimento das células secretoras de hormônios da glândula anterior pituitária necessita de ações coordenadas de genes regulatórios que codificam fatores de transcrição levando a expressão de genes especializados que estabelecem o caráter diferenciado das células. Mutações nesses genes são associadas com doenças pediátricas incluindo deficiências hormonais isoladas e combinadas (DHHM). Fatores de transcrição críticos incluem HESX1, ISL1, LHX3, LHX4, PAX6, PIT-1 (POU1F1 gene), OTX1, PITX1, PITX2, PROP1, SIX3, e SIX6.O LHX3 é membro da subfamília LIM-homeodominio e é localizado no cromossomo 9 na região 9q34.3. Codifica 3 diferentes isoformas, sendo elas LHX3a, LHX3b e M2-LHX3, sendo expresso no cérebro na fase embrionária, na medula espinhal e na bolsa de Rathke.Até o momento, foram descritas 12 mutações homozigóticas nesse gene. Os pacientes apresentam deficiência hormonal de GH, PRL, TSH, LH e FSH, sendo considerados portadores de uma deficiência hipofisaria hormonal múltipla (DHHM). Os déficits endócrinos associados com DHHM podem resultar em baixa estatura, defeitos metabólicos, falha na puberdade e outros sintomas resultantes de deficiência hipofisária. Também são descritas limitações da rotação do pescoço, perda neuronal auditiva, associada a quadro de autismo e alterações de imagem sugestiva de lesão de hipersinal na adenohipófise, além de poder apresentar aspecto de hipoplasia, aumento ou normalidade da hipófise com neurohipófise tópica em todos os casos descritos. O objetivo desse estudo é analisar o gene LHX3 em 53 pacientes com hipopituitarismo congênito com neurohipófise tópica ou em pacientes portadores de neurohipófise ectópica porém que possuam alterações de pescoço, surdez, altismo e/ou lesão hipofisária sugestiva de adenoma e em pacientes portadores de hipopituitarismo congênito com diagnóstico molecular prévio, em estado de heterozigose, em outros genes envolvidos na embriogênese hipofisária. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FANG, QING; BENEDETTI, ANNA FLAVIA FIGUEREDO; MA, QIANYI; GREGORY, LOUISE; LI, JUN Z.; DATTANI, MEHUL; SADEGHI-NEJAD, ABDOLLAH; ARNHOLD, IVO J. P.; MENDONCA, BERENICE BILHARINHO; CAMPER, SALLY A.; et al. HESX1 mutations in patients with congenital hypopituitarism: variable phenotypes with the same genotype. Clinical Endocrinology, v. 85, n. 3, p. 408-414, . (13/00073-8)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.