Busca avançada
Ano de início
Entree

Relações das desordens temporomandibulares nas deformidades dentofaciais

Processo: 12/19348-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Luciana Vitaliano Voi Trawitzki
Beneficiário:Mariana Cristina Zanin
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Motricidade orofacial   Deformidades dentofaciais   Oclusão dentária   Disfunção temporomandibular   Retrognatismo   Adultos   Inquéritos e questionários

Resumo

Existe uma relação intrínseca entre as DTMs e as condições do esqueleto da face e da oclusão dentária, entretanto as relações de causa e efeito ainda não estão bem esclarecidas. Objetivo: analisar a prevalência e o grau de severidade de DTM em sujeitos com deformidades dentofaciais (com indicação para cirurgia ortognática). Casuística e metodologia: participarão do estudo, 60 pacientes, jovens e adultos entre 18 e 40 anos, de ambos os gêneros, 30 com o diagnóstico de deformidade dentofacial classe II (caracterizada por retrognatismo mandibular e/ou por excesso de crescimento maxilar), e 30 o diagnóstico de classe III dentoesquelética (caracterizada por prognatismo mandibular e/ou por deficiência maxilar, tendo a mandíbula mais anteriorizada em relação à maxila). Os sujeitos serão examinados, de acordo com o Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders RDC/DTM - Eixo I (Dworkin e LeResche, 1992), por examinadores devidamente calibrados. As DTMs serão classificadas, de acordo com o RDC/DTM, em muscular (grupo I), grupo deslocamento de disco com redução (IIa), sem redução (IIb) e artralgia, artrite, artrose (grupo III), segundo as características predominantes, podendo incluir as subclassificações. Os sujeitos responderão ao questionário sobre sinais e sintomas - ProDTMmulti - Parte II, sendo que eles deverão indicar quanto cada sinal ou sintoma é severo ao acordar, ao mastigar, ao falar e em repouso, usando uma escala numérica.(AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)