Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da incorporação e liberação do extrato de Casearia sylvestris Swartz empregando biomembranas de látex natural como suporte

Processo: 12/08007-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2012
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2012
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica - Bioengenharia
Pesquisador responsável:Rondinelli Donizetti Herculano
Beneficiário:Felipe Azevedo Borges
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Assunto(s):Liberação controlada de fármacos   Anti-inflamatórios   Látex natural   Biopolímeros   Biomateriais   Biomembranas   Casearia sylvestris   Espectroscopia óptica   Difração por raios X

Resumo

O látex extraído da Hevea brasiliensis tem se mostrado promissor em aplicações biomédicas devido ao seu baixo custo, fácil manuseio, propriedades mecânicas e biocompatibilidade, sendo usado para regeneração óssea e cicatrização de feridas na pele devido ao seu estímulo natural à angiogênese. O objetivo deste projeto consiste em incorporar o extrato de Casearia sylvestris Sw. em biomembranas de látex natural (NRL) e estudar o comportamento de sua liberação. O complexo extrato-membrana tem como objeto de estudo uma nova abordagem do uso do extrato de Casearia sylvestris Sw no tratamento de feridas, com atividade antisséptica e anti-inflamatória. A Casearia sylvestris Sw., conhecida popularmente como "guaçatonga", pertence à família Silicaceae, com uma grande distribuição, sendo empregada na medicina popular como antiulcerogênica, cicatrizante, anti-veneno de cobra, anti-inflamatório, antisséptica, anticancerígena, propriedades as quais já foram comprovadas e suas atividades relacionadas a diterpenos clerodânicos (casearinas). A taxa de liberação do Casearia sylvestris Sw. do complexo extrato-membrana será monitorada e analisada utilizando o método de espectroscopia ótica (UV-VIS), além de ser caracterizada por difração de raio-X (DRX) e microscopia eletrônica de varredura associada a técnica de energia dispersiva de raio-X (MEV-EDS). Testes preliminares realizados pelo nosso grupo de pesquisa mostram que a biomembrana de látex natural libera o extrato de Casearia sylvestris Sw por até 10 dias. Trabalhos recentes demonstraram que a liberação controlada de fármacos utilizando biomembranas de látex natural é uma alternativa interessante e promissora para aplicações biomédicas.(AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)