Busca avançada
Ano de início
Entree

Envolvimento da população de células TCD8+ ativadas na infecção experimental de camundongos com leveduras de Paracoccidioides brasiliensis e Paracoccidioides lutzii

Processo: 11/10509-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2011
Vigência (Término): 30 de setembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Pesquisador responsável:Carlos Pelleschi Taborda
Beneficiário:Adriana Araujo Reis Menezes
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Paracoccidioidomicose   Vacinas   Micologia

Resumo

O fungo termo-dimórfico Paracoccidioides brasiliensis é o agente etiológico da paracoccidioidomicose (PCM), micose sistêmica e endêmica em vários países da América Latina sendo que, no Brasil ocorre em quase todas as regiões, com maior prevalência no Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Norte. O local primário da infecção é o epitélio pulmonar do qual pode se espalhar para outros órgãos e tecidos. Lesões secundárias podem ser encontradas nas mucosas, pele, linfonodos, fígado, baço e glândula adrenal levando frequentemente a seqüelas permanentes. O antígeno imunodominante de P. brasiliensis é a glicoproteína gp43. Ela possui epitopos para células T e B que determinam o progresso da infecção. Diversos autores demonstraram o papel fundamental das células T CD4+ na resistência a PCM, entretanto pouco se sabe sobre o papel das células T CD8+ na infecção. Trabalhos prévios demonstraram que a depleção de células T CD8+ induz uma maior disseminação e severidade da PCM em camundongos suscetíveis e resistentes. A maioria dos isolados estudados pertencem a três grupos filogenéticos: S1, PS2 e PS3. Um novo grupo (Pb01-like) foi identificado recentemente sendo denominado Paracoccidioides lutzii e estudos no nosso laboratório mostram que o antígeno majoritário desse isolado não é a gp43 e sim uma molécula de aproximadamente 66 kDa. As diferenças filogenéticas entre os isolados Pb01 e Pb18 podem refletir diferenças no desenvolvimento da doença e na resposta aos tratamentos antifúngicos. Sendo assim este projeto pretende identificar os epitopos para células T CD8+ presentes na gp43 de P. brasiliensis e também no antígeno majoritário de P.lutzii. Em um segundo momento, será avaliado in vivo e in vitro, a atividade de células T CD8+ na infecção na ausência ou presença de células T CD4+, a indução de células de memória e o potencial vacinal de peptídeos com capacidade de estimular células T CD8+ associado ou não a ativação de células T CD4+.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)