Busca avançada
Ano de início
Entree

Reaproveitamento de resíduos sólidos classe 1 de couros em semiacabado e acabado de diferentes raças (bovinas, suínas, de peixes, de jacarés, de avestruz, de cavalos, de cabras e de ovelhas)

Processo: 09/02293-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de junho de 2009
Vigência (Término): 30 de setembro de 2010
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Saneamento Ambiental
Pesquisador responsável:Joana D'Arc Félix de Sousa
Beneficiário:Mário José Félix de Sousa
Vinculado ao auxílio:06/56593-6 - Valorização de resíduos sólidos classe 1 de curtumes, fábricas de calçados e artefatos (retalhos de couro em semi-acabado e acabado), AP.PIPE
Assunto(s):Conservação dos recursos naturais   Resíduos industriais   Couro

Resumo

O setor coureiro-calçadista é altamente expressivo e significativo em relação à economia nacional. No Brasil existem cerca de 2000 indústrias processadoras de couros distribuídas entre curtumes e acabadoras, e mais de 5000 fábricas de calçados e de artefatos. A geração de um grande volume de resíduos é, sem dúvida, o maior dos problemas ambientais enfrentados pelo setor. Como no Brasil, aproximadamente 90% das indústrias processadoras de couros utilizam sais de cromo em seus processos de curtimento, uma vez que este é considerado um dos mais importantes agentes de curtimento, garantindo ao couro características únicas de resistência, flexibilidade e maciez; os resíduos de couros gerados no setor coureiro-calçadista são classificados em resíduos classe 1 (perigosos), por serem ricos em cromo trivalente (cromo-III) e em cromo hexavalente (cromo-VI). O teor de cromo nestes resíduos varia na faixa de 2,5 a 5,0%. Assim sendo, a destinação destes resíduos é vista como nociva pela legislação ambiental. Nas indústrias que utilizam o couro como matéria prima (indústrias de calçados, vestuários, estofamentos, bolsas, cintos, etc.), cerca de 15% da matéria prima posta em operação são descartadas como resíduos (retalhos ou aparas de couros em semiacabado e acabado). Este resíduo também é gerado nos curtumes numa operação chamada de aparação ou refila, que é a fase final de beneficiamento dos couros. Atualmente, o Brasil gera em torno de 300 toneladas/dia deste resíduo. A saber, a cidade de Franca/SP gera em torno de 110 toneladas/dia do mesmo. Como a maioria absoluta destes retalhos de couros, são não recicláveis ou não reutilizáveis, a importância do reaproveitamento destes baseia-se na proteção ambiental, através da extração e/ou separação dos subprodutos presentes nestes resíduos. Tais subprodutos (corantes, complexos corante-colágeno, mistura de óleos de engraxe, mistura de taninos vegetais e/ou sintéticos, complexos tanino-colágeno, sólidos ou materiais descromados, colágeno gelificado (gelatina), colágeno hidrolisado, complexo cromo-colágeno, hidróxido de cromo III, sulfato básico de cromo III) serão fatores de entrada de outros processos, de vários seguimentos industriais, não como fonte de energia, mas como valor agregado. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)