Busca avançada
Ano de início
Entree

Utilização de estacas herbáceas e semi-lenhosas dos porta-enxertos de videira 'Ripária do Traviú' e 'IAC 766 - Campinas' na formação de mudas de 'Niagara rosada'.

Processo: 10/17090-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2010
Vigência (Término): 31 de agosto de 2011
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Marcel Bellato Spósito
Beneficiário:Michelle Souza Oliveira
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Estaquia   Transplantes   Enraizamento   Fruticultura

Resumo

A cultura da videira é de grande importância para o Estado de São Paulo, sendo esse o segundo maior produtor brasileiro, com 198 mil toneladas. A maioria dessa produção é de uvas rústicas a qual a cultivar 'Niagara Rosada' é a mais importante. A videira, após a introdução do afídio filoxera passou de plantios de pés-francos para mudas enxertadas com cultivares americanos resistentes à praga. No Estado de São Paulo os porta-enxertos mais utilizados são 'Ripária do Traviú' e o 'IAC 766 - Campinas'. No sistema convencional, o plantio dos porta-enxertos é feito por meio de estacas de ramos de um ano, coletadas de plantas matrizes sadias, durante o período de repouso vegetativo, próximo da época de plantio, com os ramos maduros, retirados inteiros. Nesse sistema o período para a obtenção das estacas até a sua enxertia é de dois anos. Com o intuito reduzir esse período, trabalhos vêm sendo desenvolvidos com estacas herbáceas e semi-lenhosas. Nesse sistema os ramos formados pelas matrizes produzem estacas que são enxertadas no ano seguinte, reduzindo o período em um ano. Esse sistema, assim como o convencional, apresenta vantagens e desvantagens para o produtor. O intuito do projeto é avaliar o potencial dessa técnica, pelo desenvolvimento de estacas herbáceas e semi-lenhosas formadas com um duas e três gemas, para as cultivares 'Ripária do Taviú' e 'IAC 766 - Campinas' e pelo pegamento e desenvolvimento das mudas enxertadas com a cultivar de copa 'Niagara Rosada'.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)