Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização e comparação molecular de estirpes de referência e de campo do vírus da bronquite infecciosa das galinhas

Processo: 09/12624-3
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Leonardo José Richtzenhain
Beneficiário:Sueli da Silva Santos
Instituição Sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Aves   Galinhas   Viroses em animais   Bronquite infecciosa animal   Vírus da bronquite infecciosa   Infecções por Coronavirus   Gammacoronavirus   Reação em cadeia por polimerase (PCR)   Análise de sequência de DNA   Sequência de aminoácidos   Variação antigênica   Reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-PCR)
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Bronquite Infecciosa das Galinhas | Coronavirus | Pcr | sequenciamento | Doenças Infecciosas dos Animais.

Resumo

A bronquite infecciosa das galinhas (IBV) é uma doença viral aguda e altamente contagiosa que acomete aves da espécie, de todas as idades, ocasionando grandes perdas econômicas devido à mortalidade, mau desenvolvimento dos lotes, queda na produção e na qualidade de ovos (King & Cavanagh, 2003; Saif, 2004). A ocorrência de casos de IBV em todas as regiões onde há avicultura industrial tem sido bastante descrito pela literatura. A doença é causada por um vírus (Coronavírus) RNA de fita simples e envelopado. O isolamento de IBV e a sorotipagem das amostras têm permitido a diferenciação de vários sorotipos (Cavanagh, 2005). As diferenças entre sorotipos de IBV devem-se às variações na sequência de aminoácidos de duas regiões da subunidade S1 do envelope, chamadas regiões hipervariáveis. Entretanto, pouca variação foi detectada na sequência de aminoácidos da subunidade S2. Desse modo, diferenças sutis na composição de nucleotídeos do gene correspondente a S1, podem dar origem a novos sorotipos. Essas partículas virais com estrutura S1 diferente terão vantagem seletiva e serão mais capazes de infectar galinhas que já tenham sido expostas a outros sorotipos de IBV (Cavanagh & Naqi, 1997; Hodgson, 2004; Casais et al., 2003). No Brasil, alguns trabalhos publicados isoladamente têm demonstrado a magnitude das variações antigênicas existentes em nossos plantéis. Estudos epidemiológicos continuam sendo necessários para se conhecer mais sobre as características antigênicas dos IBV que acometem os plantéis brasileiros. Montassier, 2008 e Vilarreal, 2007 relataram a ocorrência da doença em aves vacinadas com o sorotipo Massachusetts, indicando a possibilidade da existência regional de outros sorotipos ou amostras variantes. Tais ocorrências reforçam a necessidade de se conhecer mais sobre as amostras de IBV existentes no país. Para a detecção e caracterização de estirpes de IBV os meios mais utilizados de diagnóstico têm sido o RT-PCR, RFLP, clonagem e sequenciamento de nucleotídeos. Sendo assim, o objetivo do presente projeto é realizar sequenciamento parcial do gene S1 para determinar filogeneticamente a relação entre as cepas isoladas de campo e vacinais no estado de São Paulo e determinar os sorotipos presentes na região estudada a fim de que sejam amplificados os conhecimentos sobre as cepas regionais encontradas no Brasil.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SANTOS, Sueli da Silva. Caracterização e comparação molecular de estirpes de referência e de campo do vírus da bronquite infecciosa das galinhas. 2012. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/SBD) São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.