Busca avançada
Ano de início
Entree

O uso de um sistema LC-ESI-IT-Tof/MS e MSn na prospecção de novos componentes peptídicos do veneno da vespa social Polybia paulista.

Processo: 09/11155-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2010
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:Mario Sergio Palma
Beneficiário:Nathalia Baptista Dias
Instituição-sede: Centro de Estudos de Insetos Sociais (CEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/57122-7 - Procura de compostos líderes para o desenvolvimento racional de novos fármacos e pesticidas a partir bioprospecção da fauna de artrópodes brasileiros, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Espectrometria de massas   Cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas   Peptídeos biologicamente ativos   Bioprospecção

Resumo

Os insetos sociais da ordem Hymenoptera como abelhas, vespas e formigas, em geral utilizam-se de compostos químicos para caça e defesa. Os venenos destes insetos são misturas complexas de compostos biologicamente ativos, tais como: aminas biogênicas, peptídeos e proteínas. Os peptídeos são os componentes mais abundantes, podendo representar até 70% do conteúdo total dos venenos, sendo que, alguns peptídeos de vespas são capazes de causar desgranulação de mastócitos, enquanto outros são responsáveis por hemólise dos eritrócitos, quimiotaxia de macrófagos e leucócitos em geral, além de atividade antibiótica. Trabalhos recentes demonstram a capacidade de obtenção de diferentes compostos isolados destes venenos, utilizando-se técnicas de cromatografia e espectrometria de massas. Assim, este trabalho pretende identificar e sequenciar os peptídeos menos abundantes, presentes no veneno da vespa social Polybia paulista, na expectativa de encontrar novos componentes, estudando a ação hemolítica, desgranulação de mastócitos e atividade antibiótica. Os peptídeos serão estudados com a utilização de um equipamento LCMS-IT-TOF, o qual permite obter resultados com grande exatidão de massa e alta resolução (10.000 a 1000 m/z) em todos os modos MS, e será utilizado em conjunto (on-line) com a cromatografia de micro-escala, possibilitando realizar análises de alta velocidade e desempenho de separação. A padronização desta técnica será de fundamental importância na área de pesquisa, pois possibilitará o uso de menores quantidades de material biológico e solventes, identificação de materiais pouco abundantes, além da possibilidade de se obter resultados em curto período de tempo. Este projeto de bioprospecção será realizado junto ao grupo de pesquisas em Biologia Estrutural e Zooquímica do CEIS/IBRC-UNESP, que vem realizando trabalhos de prospecção química de peptídeos presentes em venenos de vespas sociais do Estado de São Paulo, junto ao programa BIOprospecTA/FAPESP (Proc.06/57122-7).

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DIAS, NATHALIA BAPTISTA; DE SOUZA, BIBIANA MONSON; GOMES, PAULO CESAR; PALMA, MARIO SERGIO. Peptide diversity in the venom of the social wasp Polybia paulista (Hymenoptera): A comparison of the intra- and inter-colony compositions. Peptides, v. 51, p. 122-130, JAN 2014. Citações Web of Science: 12.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
. O uso de um sistema LC-ESI-IT-TOF/MS e MSn na prospecção de novos componentes peptídicos do veneno da vespa social Polybia paulista. 2012. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista (Unesp). Instituto de Biociências. Rio Claro Rio Claro.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.