Busca avançada
Ano de início
Entree

Ciclo de vida e organizacao colonial nas vespas sociais polybia occidentalis e polybia paulista (hymenoptera: vespidae; epiponini).

Processo: 05/01037-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2005
Vigência (Término): 30 de junho de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Comportamento Animal
Pesquisador responsável:Fernando Barbosa Noll
Beneficiário:Gabriel Queiroz Pereira
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:01/02491-4 - Estudos morfológicos sobre as diferenças entre as castas em vespas sociais neotropicais e seu processo evolutivo envolvido (Hymenoptera, Vespidae, Epiponini), AP.JP
Assunto(s):Vespidae   Hymenoptera   Insetos sociais   Epiponini   Comportamento social

Resumo

Os vespídeos são importantes no estudo do comportamento social, pelo fato de haver uma gradação de estágios de desenvolvimento– de solitário a eusocial. A fundação da colônia por enxameagem é uma característica marcante da subfamília Polistinae, especialmente da tribo Epiponini. Cerca de um quarto dos Polistinae fundam novas colônias por enxameamento. Embora esse grupo seja pequeno em termos de número de espécies, elas excedem todos os outros grupos de vespas eussociais em termos de diversidade taxonômica ao nível genérico, diversidade quanto a arquitetura do ninho e no tamanho da colônia. Estudos bionômicos em epiponíneos, envolvendo observações diretas, sempre demonstraram bons resultados. Geralmente, esses trabalhos sempre foram esporádicos e oportunistas, de maneira que vários aspectos dos ciclos coloniais nunca foram analisados. Este projeto propõe a avaliar, em maior detalhe, o ciclo de vida de Polybia occidentalis e Polybia paulista, avaliando os seguintes aspectos: surgimento de novos enxames; construção de novos ninhos e possível parentesco entre os ninhos já existentes e os pré-estabelecidos; duração dos ninhos e comportamentos relacionados à construção; variação do tamanho das operárias; variação da diferenciação das castas de acordo com o ciclo colonial e possíveis fatores que podem influenciar esse fenômeno. Este trabalho será conduzido no Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas - UNESP. Os dados serão coletados no período de abril de 2005 a abril de 2006, onde toda a área do campus será percorrida diariamente visando à procura de novos ninhos, enxameamentos e monitoramento dos ninhos pré-existentes. Dados relativos à orientação dos ninhos em relação ao Sol; altura dos ninhos; tempo de construção dos ninhos; acréscimo de novos favos; tempo de abandono e enxameamento para fundação de novos ninhos serão avaliados. Todas as atividades relacionadas com a fundação, construção e manutenção dos ninhos serão computadas para amostras de operárias individualmente, que serão marcadas, e suas seqüências comportamentais serão avaliadas. Para atividades referentes ao forrageamento, dois ninhos serão selecionados semanalmente e avaliados o tempo de entrada e saída de operárias, e os tipos de material trazidos por estes indivíduos. Para avaliação dos ninhos de acordo com seu ciclo de desenvolvimento, dois a três ninhos serão coletados, e estimados o tamanho do ninho, o número de favos, o número de células por favo, a idade do ninho estimada de acordo com as camadas de mecônio, o conteúdo estomacal da população, desenvolvimento ovariano das fêmeas e a idade dos indivíduos. Além disso, as diferenças entre as castas serão avaliadas utilizando-se de análises multivariadas.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)