Busca avançada
Ano de início
Entree

Respostas imunes e bioquímicas diferem entre hospedeiros bovinos geneticamente suscetíveis e resistentes ao carrapato do boi, Rhipicephalus microplus

Resumo

Antecedentes:Os carrapatos se encaixam e penetram na pele dos seus anfitriões e inativam componentes múltiplos das respostas do hospedeiro para adquirir uma farinha de sangue. As cargas de infestação com o carrapato de gado, Rhipicephalus microplus, são hereditárias: algumas raças carregam cargas elevadas de carrapatos reproduzidos de forma reprodutiva, enquanto em outros, poucos carrapatos se alimentam e se reproduzem de forma eficiente.MÉTODOS:A fim de elucidar os mecanismos que resultam nos diferentes resultados das infestações com carrapatos de gado, examinamos a expressão global de genes e a inflamação induzida por picadas de carrapatos em peles de uma raça resistente e suscetível de bovinos submetidos a infestações primárias com larvas e ninfas de R . microplus. Também examinamos os perfis de expressão de genes que codificam proteínas de carrapatos segregados que medeiam parasitismo em larvas e ninfas alimentando essas raças.RESULTADOS:As análises funcionais de genes diferencialmente expressos na pele sugerem que a dermatite alérgica semelhante ao contato se desenvolve com a produção subsequente de IL-6, CXCL-8 e CCL-2 e é sustentada por HMGB1, ISG15 e PKR, levando à expressão de quimiocinas pró-inflamatórias e citocinas que recrutam granulócitos e linfócitos T. Importante, esta resposta está atrasada em hosts suscetíveis. As análises histopatológicas de peles infestadas apresentaram reações inflamatórias em torno de cones de carrapato que permitem a ligação em ambas as raças, mas em bovinos geneticamente resistentes a carrapatos desestabilizaram o cone. Os dados da transcrição forneceram informações sobre a ativação mediada por ticônicos de basófilos, que anteriormente demonstraram ser uma chave para a resistência do hospedeiro em sistemas modelo. A pele de bovinos suscetíveis a carrapatos expressou mais transcrições que codificam enzimas que desintoxicam tecidos. Curiosamente, essas enzimas também produzem compostos odoríferos voláteis e, consequentemente, esfregaços de pele de bovinos suscetíveis a carrapatos atraíram significativamente mais larvas de carraça do que esfregões de hospedeiros resistentes. Além disso, as transcrições que codificam moléculas moduladoras segregadas pelo carrapato foram significativamente mais abundantes em larvas e nas glândulas salivares ninfas de carrapatos que se alimentam de bovinos suscetíveis.CONCLUSÕES:Em comparação com os hospedeiros sensíveis ao carrapato, os genes que codificam enzimas que produzem compostos voláteis exibem uma expressão significativamente menor em hospedeiros resistentes, o que pode torná-los menos atraentes para as larvas; os hospedeiros resistentes expõem tiques a uma resposta inflamatória anterior, que em carrapatos está associada a uma expressão significativamente menor de genes que codificam proteínas salivares que suprimem a imunidade, inflamação e coagulação do hospedeiro. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)