Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos reguladores da resposta inflamatória na gravidade da Leishmaniose visceral

Processo: 15/12526-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2016 - 31 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Vanessa Carregaro Pereira
Beneficiário:Vanessa Carregaro Pereira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Fernando de Queiroz Cunha ; João Santana da Silva ; Luciana Benevides ; Sandra Regina Costa Maruyama
Assunto(s):Imunoparasitologia  Leishmaniose visceral  Imunorregulação  Imunidade inata  Resposta inflamatória 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:imunidade inata | imunoregulação | Inflamação crônica | Leishmaniose visceral | Imunoparasitologia

Resumo

A Leishmaniose Visceral (VL) é um problema grave de saúde pública, causando alta morbidade e mortalidade, em vários países, incluindo o Brasil. Dentre os indivíduos infectados, 85% permanecem assintomáticos, enquanto os 15% restantes apresentam manifestações clínicas, que variam desde formas oligossintomáticas (brandas) até formas sintomáticas mais graves que podem ir a óbito. Na ausência de estratégias vacinais eficazes e efetivas, a terapia com antimonial pentavalente e anfotericina B são fármacos rotineiramente utilizados na clínica para o tratamento da LV. Contudo, essas drogas apresentam reações adversas e resistência adquirida com seu emprego ao longo do tempo. Um aspecto que merece atenção é que o período de ineficácia terapêutica prejudica o paciente devido ao retardo no início de terapias alternativas, agravando o quadro clínico. Pacientes que apresentam a forma grave da doença, geralmente apresentam icterícia, edema, elevação de enzimas hepáticas e pancitopenia, neutropenia acentuada e geralmente são refratários ao tratamento, podendo evoluir para o óbito. São marcantes, também, nestes pacientes os níveis elevados de citocinas pró-inflamatórias sistêmicas e alguns marcadores imunológicos estão associados à mortalidade. Uma questão importante que se coloca é se a refratariedade dos pacientes graves pode ser consequência de ações combinadas e redundantes de mediadores pró-inflamatórios liberados sistemicamente. Apesar dos avanços científicos e tecnológicos na última década, existe uma compreensão limitada acerca dos fatores e mecanismos subjacentes ao desenvolvimento e persistência da resposta inflamatória crônica nos pacientes refratários. Além disso, a falta de métodos para o diagnóstico precoce interfere na escolha de um tratamento eficaz. Assim, o entendimento do processo inflamatório como um todo, incluindo a identificação e caracterização de genes cujas funções estão alteradas nos pacientes com maior gravidade apresenta perspectivas de descoberta de biomarcadores prognósticos da eficácia terapêutica, pois poderão aperfeiçoar o processo de escolha das terapias mais eficientes. A relevância da expressão de genes alterados encontrados nos pacientes refratários pode ser investigada empregando modelos experimentais, tais como animais transgênicos e deleções gênicas. A identificação dos alvos, validados em modelo experimental da doença aumentarão as chances de eficiência e sucesso terapêutico dos pacientes com LV. Outro aspecto é que a neutropenia nos pacientes refratários pode levar a complicações teciduais por reter essas células nos órgãos. Os neutrófilos sendo fontes de substâncias microbicidas podem participar do desenvolvimento de lesões nos tecidos e auxiliar no agravamento do quadro clínico do paciente. Em decorrência de um grande número de moléculas, citocinas e mediadores envolvidos na ativação, regulação e na função efetora dos neutrófilos, é possível que a presença do polimorfonuclear também reflita no desenvolvimento das respostas imunes inatas e adaptativas que contribuem com a cronicidade da doença. Assim, o projeto apresenta três objetivos claros: 1) identificar alterações de genes resultantes de respostas inflamatórias que possam estar envolvidas na neutropenia de pacientes com LV e validá-los em modelo experimental, 2) caracterizar o papel de células, mediadores e mecanismos moleculares envolvidos no recrutamento e ativação de neutrófilos e 3) determinar mecanismos efetores e reguladores de neutrófilos na LV experimental. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SACRAMENTO, LAIS A.; DA COSTA, JESSICA L.; DE LIMA, MIKHAEL H. F.; SAMPAIO, PEDRO A.; ALMEIDA, ROQUE P.; CUNHA, FERNANDO Q.; SILVA, JOAO S.; CARREGARO, VANESSA. Toll-Like Receptor 2 Is Required for Inflammatory Process Development during Leishmania infantum Infection. FRONTIERS IN MICROBIOLOGY, v. 8, . (13/08216-2, 15/12526-2)
SACRAMENTO, LAIS AMORIM; BENEVIDES, LUCIANA; MARUYAMA, SANDRA REGINA; TAVARES, LUCAS; FUKUTANI, KIYOSHI FERREIRA; FRANCOZO, MARCELA; SPARWASSER, TIM; CUNHA, FERNANDO QUEIROZ; ALMEIDA, ROQUE PACHECO; DA SILVA, JOAO SANTANA; et al. TLR4 abrogates the Th1 immune response through IRF1 and IFN-beta to prevent immunopathology during L. infantum infection. PLOS PATHOGENS, v. 16, n. 3, . (13/08216-2, 12/14524-9, 17/04347-6, 15/12526-2)
LIMA, MIKHAEL H. F.; SACRAMENTO, LAIS A.; QUIRINO, GUSTAVO F. S.; FERREIRA, MARCELA D.; BENEVIDES, LUCIANA; SANTANA, ALYNNE K. M.; CUNHA, FERNANDO Q.; ALMEIDA, ROQUE P.; SILVA, JOAO S.; CARREGARO, VANESSA. Leishmania infantum Parasites subvert the host inflammatory response through the adenosine A2(A) receptor to Promote the establishment of infection. FRONTIERS IN IMMUNOLOGY, v. 8, . (13/08216-2, 15/12526-2)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.