Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da influência do vinho tinto sobre a flora intestinal e produção de N-óxido-trimetilamina (TMAO)

Resumo

Avaliação da influência do Vinho Tinto sobre a flora intestinal e produção de N-óxido-trimetilamina (TMAO)Fundamento: - Evidências recentes indicam que a (Trimethylamine-N-oxide - TMAO) é um metabólito pró-aterosclerótico, dependente de fosfatidilcolina da alimentação e da flora intestinal. Os substratos alimentares são derivados da carnitina e fosfatidilcolina (lecitina), presentes principalmente em ovos, carne vermelha, fígado e carne suína. O padrão da flora intestinal que favorece a formação de TMAO é muito similar ao que predispõe à resistência a insulina e obesidade: uma proporção elevada entre o filo Firmicutes sobre o Bacteirodetes. A microbiota intestinal é sensível e modulável; o uso de prebióticos e probióticos pode mudar a relação entre os filos Firmicutes/Bacteroidetes. O vinho tinto (VT), por sua composição com polifenóis e possível papel bactericida, pode ter papel na modificação da flora intestinal e poderia promover a proliferação de bactérias benéficas. No entanto, não se conhece a influência do VT sobre a TMAO. Esta é a hipótese a ser testada neste estudo. Métodos: Trata-se de estudo prospectivo, cruzado ("crossover"), randomizado, controlado, com pacientes do Instituto do Coração (InCor), da FMUSP. Serão avaliados 42 pacientes, todos homens, com doença aterosclerótica estabelecida, de maneira cruzada: cada sujeito receberá ambos os tratamentos, intervenção e controle (em ordem aleatória). No período de intervenção com vinho, os pacientes receberão 250 mL/dia de vinho tinto por dia, por 5 dias da semana, por 3 semanas. Os pacientes manterão sua dieta habitual, sem uso de pré ou probióticos, ou de outros derivados polifenólicos. Ao final de cada etapa, os pacientes terão avaliados o TMAO sérico e a microbiota intestinal. Para avaliação da microbiota intestinal será utilizado o sequenciamento de nova geração na porção altamente conservada da subunidade 16S do gene de rRNA. A determinação da TMAO no plasma será por cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massas.Resultados esperados: Espera-se determinar se o VT age sobre a flora intestinal a ponto de influenciar a concentração de TMAO plasmática. O estudo também oferecerá novo entendimento da possível ação benéfica de VT em homens. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)