Busca avançada
Ano de início
Entree

Castanhas japonesas: manejo de colheita e tratamento térmico visando à redução da deterioração fúngica pós-colheita e à sustentabilidade da cultura

Resumo

As castanhas japonesas (tipo portuguesa) são frutos tipicamente sazonais que mantém sua qualidade comercial ótima, turgescência e sanidade por um curto período de tempo. Uma das principais dificuldades na sua comercialização é a sua elevada perecibilidade decorrente do seu alto teor de umidade. Essa característica, aliada a sua constituição química, torna o emboloramento ou podridão fúngica um dos mais sérios problemas pós-colheita desse produto. No Brasil, as castanheiras Castanea crenata (Sieb. et Zucc.) foram introduzidas por imigrantes japoneses, no início de 1970. Desde então, 13 variedades estão sendo cultivadas comercialmente em 20 cidades do Estado de São Paulo. Diferentemente das espécies européias, asiáticas e americanas, cuja colheita ocorre no inverno, a safra das castanhas "brasileiras" ocorre durante um período em que prevalece clima quente e úmido. Os ouriços são coletados diretamente do solo, favorecendo a contaminação fúngica e, como os produtores não dispõem de tecnologia para descontaminação e conservação dos frutos, as castanhas deterioram 5 dias após a colheita. Por esse motivo, após anos de investimento, alguns agricultores estão desistindo dessa cultura e planejam cortar as árvores. O tratamento térmico é uma opção de tecnologia de descontaminação sustentável bastante interessante, visto que, além do controle microbiológico e prevenção de podridões pode também erradicar a infestação por insetos. Desse modo, nessa pesquisa pretende-se (1) avaliar o nível de contaminação fúngica das castanhas em ouriços coletados da árvore quando comparados com aqueles coletados do chão; (2) avaliar o efeito do tratamento térmico no controle da deterioração fúngica pós-colheita; (3) verificar o efeito do tratamento proposto no controle da deterioração fúngica e na qualidade do produto durante armazenamento sob refrigeração (1°C/90%U.R.). (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)