Busca avançada
Ano de início
Entree

A teobromina pode estimular SIRT1 (silent information regulator 1) e reduzir o estresse oxidativo e fibrose renal associados ao Diabetes mellitus?

Resumo

O estresse oxidativo induzido pela hiperglicemia causa acúmulo renal de matriz extracelular (MEC) com progressão para fibrose e falência renal, alterações características da nefropatia diabética. Como parte do nosso projeto temático (2008/57560-0), nós observamos que não apenas o tratamento com o cacau rico em polifenóis (60%), mas também o cacau pobre em polifenóis (0,5%) foram capazes de prevenir o estresse oxidativo e o acúmulo renal de MEC em ratos diabéticos, assim como, em células mesangiais expostas a alta concentração de glicose. Além disso, a atividade da deacetilase-dependente de NAD+ como a Sirt1 (silent information regulator 1), em células mesangiais expostas a alta glicose, foi reduzida e isso foi revertido com o tratamento com o cacau rico ou pobre em polifenol. Análise por UPLC e espectrometria de massa do cacau pobre em polifenóis, identificaram a teobromina como o possível composto responsável pelas suas ações benéficas. Os objetivos do presente trabalho são: I) investigar a ação da teobromina no estresse oxidativo e índices de lesão renal em ratos diabéticos; II) testar a contribuição da Sirt1 como mediadora dos possíveis efeitos benéficos do cacau e da teobromina na melhora da lesão renal de ratos diabéticos, assim como em células mesangiais expostas a alta glicose. Diabetes mellitus (DM) será induzido através da injeção endovenosa de estreptozotocina em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) com 12 semanas de idade. Os ratos diabéticos e os seus controles, que receberão o veículo da estreptozotocina (tampão citrato pH 4,5) e serão randomizados para serem tratados ou não com teobromina ou cacau por 16 semanas. Células mesangiais humanas serão cultivadas em glicose normal (5,6 mM) ou alta (30 mM) na presença ou ausência de cacau ou teobromina e inibidores de Sirt1 ou AMPK ou CaM-KK ou ativador de AMPK. A contribuição da Sirt1 para os mecanismos de ação do cacau ou da teobromina no estresse oxidativo, apoptose e fibrose serão avaliados por imunoprecipitação do Foxo3 ou Foxo4 acetilado, ou p53 acetilado assim como Smad3 acetilado. A identificação da via Sirt1 como um mecanismo de ação do cacau e da teobromina na melhora do estresse oxidativo e lesão renal no DM representa as bases fisiopatológicas para o emprego dessas manobras na prevenção e tratamento da nefropatia diabética. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
PAPADIMITRIOU, ALEXANDROS; SILVA, KAMILA C.; PEIXOTO, ELISA B. M. I.; BORGES, CYNTHIA M.; LOPES DE FARIA, JACQUELINE M.; LOPES DE FARIA, JOSE B. Theobromine increases NAD(+)/Sirt-1 activity and protects the kidney under diabetic conditions. AMERICAN JOURNAL OF PHYSIOLOGY-RENAL PHYSIOLOGY, v. 308, n. 3, p. F209-F225, FEB 1 2015. Citações Web of Science: 13.
PAPADIMITRIOU, ALEXANDROS; PEIXOTO, ELISA B. M. I.; SILVA, KAMILA C.; LOPES DE FARIA, JACQUELINE M.; LOPES DE FARIA, JOSE B. Increase in AMPK brought about by cocoa is renoprotective in experimental diabetes mellitus by reducing NOX4/TGF beta-1 signaling. JOURNAL OF NUTRITIONAL BIOCHEMISTRY, v. 25, n. 7, p. 773-784, JUL 2014. Citações Web of Science: 23.
PAPADIMITRIOU, ALEXANDROS; PEIXOTO, ELISA B. M. I.; SILVA, KAMILA C.; LOPES DE FARIA, JACQUELINE M.; LOPES DE FARIA, JOSE B. Inactivation of AMPK Mediates High Phosphate-Induced Extracellular Matrix Accumulation via NOX4/TGF beta-1 Signaling in Human Mesangial Cells. CELLULAR PHYSIOLOGY AND BIOCHEMISTRY, v. 34, n. 4, p. 1260-1272, 2014. Citações Web of Science: 13.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.