Busca avançada
Ano de início
Entree

Níveis séricos de manose-binding lectin (MBL), controle metabólico e nefropatia em portadores de Diabetes mellitus

Resumo

Diabetes mellitus é uma doença sistêmica. Em diabéticos, quadros infecciosos mais frequentes e graves, bem como, o envolvimento de agentes oportunistas, faz com que se suspeite de algum grau de comprometimento imunológico secundário à própria doença de base. A MBL é uma proteína da família das colectinas. A MBL ativa a via clássica do complemento após a ligação da porção globular a resíduos de oligo e polissacárides. A ativação de complemento mediada pela MBL representa uma terceira via de ativação distinta das vias clássica e alternativa. A deficiência de MBL sérica tem sido considerada a causa mais frequente de imunodeficiência. Publicações sugeriram que a MBL pode modular a gravidade da doença infecciosa e autoimune. Com relação especificamente ao Diabetes mellitus, os trabalhos apresentam resultados conflitantes, tanto no que diz respeito aos níveis séricos quanto a análise do polimorfismo. Vários estudos têm aventado a possibilidade de níveis elevados de MBL estarem associados ao desenvolvimento de nefropatia e arteriosclerose em portadores de Diabetes mellitus. Nosso grupo estudando crianças e adolescentes diabéticos não encontrou incidência aumentada de quadros infecciosos. No entanto, alterações em outros parâmetros imunológicos foram encontrados nestes diabéticos, principalmente associados a nível elevado de hemoglobina glicada (HbA1c). Como os níveis de MBL são dependentes da ligação com açúcares e potencialmente podem ser reduzidos pela ação de insulina, poderiam estes níveis séricos sofrer influência dos níveis séricos de glicose ou em última instância poderiam os níveis séricos de MBL estar alterados em decorrência da variação da HbA1c? Desta forma, propomos medir o nível sérico de MBL e correlacionar com controle metabólico medido pela hemoglobina glicada, numero e tipo de infecções e medida da microalbuminúria de 24hs em portadores de Diabetes tipo1 com idades entre 5 e 15 anos, faixa etária até então não estudada com relação a MBL. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)