Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliando adaptação, variação epigenética e dispersão para entender a resposta de mangues em um mundo em mudanças

Resumo

As rápidas mudanças ambientais de origem antrópica impõem novas condições bióticas e abióticas aos organismos que podem responder por migração que os permite alterar distribuições espaciais ou por persistência via adaptação mediada por seleção natural ou pela plasticidade fenotípica. Em caso de ausência ou insuficiência de resposta, pode ocorrer extinção local ou global. Árvores são especialmente afetadas pelas alterações ambientais pois são organismos de longo ciclo de vida e sésseis na fase adulta, e entre elas, um grupo deve ser particularmente ameaçado, os mangues devido à dinâmica ambiental costeira somada aos desafios de se ocupar uma estreita faixa entre o mar e o continente. Estes organismos compõem manguezais, os quais contribuem substancialmente com o sequestro e estoque de carbono. Portanto, árvores de mangue devem ser consideradas organismos prioritários para se compreender os processos biológicos na resposta às rápidas alterações do ambiente, pois são tanto 'vítimas' como potenciais soluções para elas. Neste contexto, o objetivo geral desta proposta é desvendar como os mangues podem responder às mudanças climáticas atuais por dispersão e por persistência. Para isso, serão desenvolvidos dois subprojetos autônomos, mas complementares que pretendem a) avaliar a contribuição das correntes oceânicas superficiais para a dispersão de árvores de mangue em escala global e b) investigar o papel da variação genética adaptativa, epigenética e fenotípica na persistência em novas condições ambientais desafiadoras. Esta abordagem permitirá o treinamento, capacitação e networking de recurso humano além da nucleação de um grupo interdisciplinar de investigação focado em Ecologia Molecular no Campus do Litoral Paulista da UNESP. Adicionalmente, ela possibilitará a obtenção de novas e sólidas evidências que permitam identificar fatores chave de ameaça aos mangues, construir modelos preditivos mais realistas e auxiliar na seleção ou criação de estratégias eficientes de manejo, restauração e conservação desses ecossistemas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)