Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de um painel gênico customizado para avaliação prognóstica e diagnóstica de linfomas de células T periféricas nodais

Processo: 22/12233-9
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2023 - 31 de março de 2025
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Juliana Pereira
Beneficiário:Juliana Pereira
Instituição Sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores associados: Cadiele Oliana Reichert ; Carlos Murga-Zamalloa ; Débora Levy ; Francisco Vega ; Hebert Fabricio Culler ; Jessica Ruivo Maximino ; Luís Alberto de Pádua Covas Lage ; Mario L Marques-Piubelli ; Ryan Wilcox ; Sergio Paulo Bydlowski
Assunto(s):Hematologia  Biomarcadores  Diagnóstico  Prognóstico  Linfoma não Hodgkin  Linfócitos T  Mutação  Rearranjo gênico 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:biomarcadores | diagnóstico | linfomas não-Hodgkin de células T periféricas (LCTP) | Mutações gênicas | prognóstico | Rearranjos cromossômicos | Hematologia molecular

Resumo

Os linfomas não-Hodgkin de células T periféricas (LCTP) constituem um grupo heterogêneo de neoplasias malignas raras, derivadas da proliferação monoclonal de linfócitos de linhagem T e natural-killer (NK) pós-tímicos e ativados. Os LCTP englobam doenças clinicamente heterogêneas, com distintas características histopatológicas, imunofenotípicas e genético-moleculares. Até o momento, foram descritos 29 subtipos específicos de LCTP. De acordo com a Classificação da Organização Mundial de Saúde de 2016, esses subtipos de linfomas são agrupados segundo sua apresentação clínica em LCTP predominantemente nodais, extra nodais, primários cutâneos e disseminados ou leucêmicos. O subtipo nodal é composto pelo linfoma de células T periféricas sem outras especificações (LCTP, SOE), linfoma de células T angioimunoblástico (LCTA), linfoma T periférico nodal de fenótipo T-helper folicular (LCTPn-Thf), linfoma de grandes células anaplásicas (LGCA) anaplastic lymphoma kinase-1 (ALK-1) positivo e o linfoma de grandes células anaplásicas ALK-1 negativo (LGCA, ALK-1 negativo). A distinção entre esses subtipos de LCTP é bastante difícil na prática clínica devido à sobreposição de aspectos clínicos, histológicos e genético- moleculares. Além disso, os escores de risco utilizados para LCTP apresentam pouca acurácia em predizer seus prognósticos. Nesse sentido, existe uma necessidade médica não atendida em relação ao estabelecimento rápido e acurado do diagnóstico preciso dos diferentes subtipos de LCTP nodais. Tecnologias aplicadas para esse fim deverão ser acessíveis, custo-efetivas e que possam ser utilizadas de forma universal. Dessa forma, a partir de dados de sequenciamento do exoma total de pacientes portadores de LCTP nodais objetivamos padronizar um painel gênico mínimo capaz de auxiliar em seu diagnóstico diferencial e para predição de seu prognóstico. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)