Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial imunomodulador de proteínas recombinantes do Schistosoma mansoni em processos inflamatórios

Processo: 21/01306-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2021 - 31 de julho de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Helmintologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Fernanda de Freitas Anibal
Beneficiário:Fernanda de Freitas Anibal
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Pesq. associados: Cynthia Aparecida de Castro
Assunto(s):Diabetes mellitus  Inflamação  Regulação  Schistosoma mansoni  Imunoparasitologia 

Resumo

O modelo para avaliar a atividade das proteínas recombinantes de Schistosma mansoni será o modelo do Diabetes mellitus do tipo 2 (DM2), o qual se encaixa entre as doenças classificadas como síndrome metabólica, comumente associada a obesidade e ao sedentarismo. Além disso, devido à modificação na ação da insulina, o DM2 acarreta, ao portador, quadros graves de hiperglicemia, que por sua vez, predispõem a complicações patológicas. Recentemente, pesquisas na área relacionaram o desenvolvimento da doença com o aumento de marcadores pró-inflamatório, caracterizando um quadro de inflamação crônica de grau baixo, principalmente, no tecido adiposo e hepático. Sendo assim, moléculas que apresentam atividade imunomoduladora podem apresentar atividade terapêutica, no controle da disfunção metabólica associada a inflamação. Moléculas derivadas do parasita Schistosoma mansoni, veem sendo sugeridas como reguladores de processos que podem modificar as funções de células imunológicas relacionando aos adipócitos, diminuindo a inflamação e melhorando a tolerância à glicose. O direcionamento atual, leva aos inibidores de protease que apresentam importante função durante a homeostase e a inflamação, como a proteína derivada do Schistosoma mansoni SmKI-1, inibidora de serino-protease, cujo potencial sugere um papel regulador da inflamação. A glicoproteína ligada à membrana Sm29, também derivada do S. mansoni, encontrada no tegumento do verme adulto, foi capaz de induzir um perfil de citocinas Th1 em camundongos, além, de ter fornecido proteção contra a infecção, mostrando que proteínas helmínticas pode ser uma ferramenta inovadora para quadros inflamatórios crônicos. No entanto, o potencial terapêutico dessas proteínas imonumodulatórias, no controle metabólico associado à inflamação crônica no DM2, ainda se mostra inexplorado. Assim, o objetivo da pesquisa será analisar a ação de diferentes proteínas recombinantes, derivadas do S. mansoni, nas alterações inflamatórias características do DM2. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)